Você acreditou naquela história de que ações são bons investimentos de longo prazo? Você conhece pessoas que já perderam muito dinheiro esperando o longo prazo chegar? Todo problema começa no conceito de longo prazo. O que é longo prazo? Para uns pode ser 10 anos. Para outros pode ser 50 anos. Vamos ver três casos diferentes:

Rentabilidade na bolsa nos últimos 10 anos: Se você tivesse investido no Índice Bovespa em julho de 2005 teria em 2015 uma rentabilidade de mais ou menos 101,47% (fonte). Se tivesse feito algum investimento de renda fixa com rendimento igual ao CDI (taxa DI) sua rentabilidade teria sido de 191,39% (CDB, LCI, LCA, etc). Se o investimento tivesse a mesma variação da Taxa Selic (como o título Tesouro Selic) sua rentabilidade teria sido de mais ou menos 193,26%. Concluímos que o resultado médio da bolsa nos últimos 10 anos foi muito inferior ao resultado da renda fixa (CDB, LCI, LCA, títulos públicos, etc). Por incrível que pareça o Índice Bovespa perdeu até para a caderneta de poupança que no mesmo período teve uma rentabilidade de 103,33% (poupança antiga). Isto se explica pelos juros elevados no período e o desaquecimento da economia.

Rentabilidade na bolsa nos últimos 20 anos: O economista Samy Dana fez um estudo para a Folha de São Paulo mostrando que a renda fixa ganhou da bolsa de valores nos últimos 21 anos (fonte). O Samy identificou que para qualquer janela de tempo considerada (dentro dos 21 anos), a renda variável (ações) perdeu para a renda fixa. Em dez anos, a bolsa foi melhor em 44% das 2.761 combinações realizadas. Já para 15 anos, a vantagem cai para 23%. O gráfico abaixo foi criado pelo Samy e ilustra o percentual de vitórias da renda fixa e da renda variável (ações negociadas na bolsa) nos últimos 21 anos.

Longo prazo de 50 anos (a coisa muda!):

Para grandes investidores o longo prazo é realmente muito longo. Podemos chamar de longuíssimo prazo. Para eles o longo prazo pode representar uma vida inteira. É assim que a bolsa é vista por investidores que hoje são vovôs bilionários. É o caso do Warren Buffett que é um vovô americano de 84 anos que possui US$ 72 bilhões no bolso (seus herdeiros agradecem). Da mesma forma pensa o Luiz Barsi Filho que é outro vovô de 75 anos e que possui mais de R$ 1 bilhão em ações na bolsa brasileira, sendo considerado um dos maiores investidores pessoa física do Brasil.

Será que o segredo estaria na paciência para investir em boas empresas no longuíssimo prazo?

O gráfico abaixo mostra que nos últimos 52 anos (entre 1963 e 2015) a bolsa teve 4 grandes movimentos de alta e 3 grandes movimentos de baixa. No momento em que escrevo este artigo estamos vivendo o que provavelmente será o quarto grande movimento de baixa dos últimos 50 anos. Olhe o gráfico abaixo com muita atenção. (fonte do gráfico).

A primeira grande tendência de alta aconteceu entre maio de 65 e junho de 71 com alta de 2.931% em 6 anos. Foi durante este ciclo de alta que o investidor (hoje escritor e professor) Márcio Noronha ficou milionário (fonte). Ele começou a investir na bolsa justamente no início de um forte ciclo de alta. Nestas condições qualquer iniciante consegue ganhar dinheiro na bolsa. Foi o que eu pude assistir entre 2002 e 2008. Pena que naquele tempo eu não estava preparado (pouco conhecimento e pouca experiência) para aproveitar as oportunidades.

Como você pode ver no gráfico acima a grande tendência de alta aconteceu entre o ano 2002 e 2008. Foram 5 anos e 7 meses de forte alta na bolsa. A alta acumulada no período foi de 2.051%. Isto significa que se você tivesse investido R$ 10.000,00 em 2002 teria em 2008 a quantia de R$ 205.100,00. Se tivesse investido R$ 100.000,00 teria multiplicado seu patrimônio até atingir R$ 2.051.000,00

Vivemos uma tendência de queda:

Já faz alguns anos que a bolsa está caindo. Estamos passando por inúmeras crises. Crise de confiança, crise fiscal, crise econômica, crise política, crise moral, etc. Tudo isso afeta o ambiente de negócios das empresas e afasta investidores.

No gráfico é possível perceber que por pior que seja a crise a bolsa nunca cai para sempre. Sempre chega o dia da reversão de tendência. Em algum momento no futuro a bolsa e a economia irão se recuperar. Quem estiver preparado, ou seja, com dinheiro no bolso (acumulado na renda fixa) e conhecimento na cabeça (através de cursos, livros, experimentos, etc) saberá o que fazer no momento certo.

Conselhos do Vovô Bilionário:

Em uma reportagem da Business Insider o vovô Buffett descreveu quatro regras que ele segue antes de investir nas ações de empresas com foco no longo prazo:

1) Buffett olha quem são as pessoas que estão nos cargos mais elevados da companhia. O modo como o direção faz a gestão dos negócios interferem em todo os segmentos da empresa. Ele sabe identificar um bom líder. É importante que exista o compromisso de manter as dívidas da companhia sob controle. Isto pode ser feito acompanhando as decisões passadas. Isso tudo dá a ele uma boa ideia do risco da empresa em que pretende investir. Vamos pegar o exemplo da Petrobras. O atual presidente é o Aldemir Bendine. Ele foi presidente do Banco do Brasil e esteve envolvido em situações estranhas e comprometedoras (como você pode ver aqui). Quando você escuta um áudio com este que foi publicado no site deste jornal não tem dúvida que a direção da empresa já está sendo controlada por pessoas de comportamento duvidoso, e já faz tempo. Esconder informações dos investidores é a pior coisa que pode ser feita.

2) O segundo ponto observado por Buffett é se a empresa onde pretende investir vai ou não vai estar habilitada a vender seu produto daqui 30 anos. Vamos pegar o exemplo do petróleo. Será que nos próximos 30 ou 40 anos o petróleo será tão importante como ele é atualmente para a humanidade? Hoje temos uma corrida tecnológica na busca de fontes alternativas de energia. Existe uma preocupação ambiental crescente. Quantas empresas que existem hoje irão sobreviver diante da revolução de tecnologia que estamos vivendo? Se você pretende investir no longo prazo é importante que o negócio principal da empresa tenha boas perspectivas para o longo prazo.

3) Buffett costuma escolher ações que sejam estáveis. A empresa precisa apresentar lucros consistentes. Ele costuma consultar o resultado das empresas nos últimos 10 anos para poder ter certeza que os lucros têm sido consistentes e se as tendências caminham na direção certa. Neste sentido Buffett jamais teria investido em empresas como a do Eike Batista. Eram empresas pré-operacionais que não apresentavam lucros e nem tinham histórico que pudesse ser avaliado.

4) Antes de comprar, Buffett calcula o preço justo da empresa. Isto significa avaliar quanto ela vale hoje e quanto valerá no futuro. Ele sempre está buscando boas ações com preços promocionais. Por isto grandes investidores como o Luiz Barsi comemoram quando a bolsa entra em um forte ciclo de baixa. É neste momento que eles conseguem garimpar as ações de boas empresas que estão sendo vendidas por preços abaixo do seu verdadeiro valor.

O gráfico abaixo mostra o movimento da bolsa americana com suas altas e baixas junto com informações sobre as crises no decorrer da história.

Você deve ter percebido que para seguir estas quatro regras é necessário que você tenha conhecimento técnico, experiência e compreensão sobre o funcionamento das ferramentas de avaliação. As quatro dicas são simples… para quem está preparado. Por isto é importante dedicar tempo se preparando antes de investir na bolsa de valores com foco no longuíssimo prazo.

Hoje a renda fixa vive um bom momento (juros crescentes), só que não será assim para sempre. Você deve aprender a obter bons resultados em renda fixa (títulos privados e títulos públicos), mas também deve aprender a investir na renda variável (bolsa de valores, imóveis, fundos imobiliários, etc) para aproveitar o próximo ciclo de alta.

Recomendo a leitura de dois livros: Como Investir na Bolsa: Análise Fundamentalista e o livro Como Investir na Bolsa: Análise Técnica. Conheça todos os nossos livros sobre investimentos visitando aqui.

Inscreva-se para receber nossos artigos por e-mail gratuitamente.