Enriquecer rápido é o sonho de muitos e através do trabalho assalariado esta tarefa é mais demorada e difícil. Quem vive de trabalho assalariado, na verdade vive da venda do próprio tempo. Se este é o seu caso, você provavelmente é pago para gastar 8 horas diárias da sua vida para fazer coisas que são do interesse de quem está lhe pagando.

Se você trabalha em uma empresa com fins lucrativos, o objetivo de quem lhe paga é obter o maior lucro possível sobre seu trabalho. Para maximizar este lucro, a empresa exige que você trabalhe muito, ganhando pouco. Em outras palavras, para que o seu emprego se justifique é necessário que você receba menos do que é capaz de produzir. Esta diferença é embolsada pela empresa como lucro, que remunera a iniciativa e os riscos corridos pelo empreendedor. É isto que viabiliza o emprego em qualquer empresa privada.

Na prática, as pessoas só recebem uma pequena parte da riqueza que conseguem produzir. A maior parte desta riqueza ficará no bolso de uma minoria. Esta minoria percebeu que era mais vantajoso comprar tempo do que vender o próprio tempo. Estas pessoas são o que chamamos de empreendedores ou empresários. Veremos mais na frente que não são os empresários que ficam com a maior parte da riqueza produzida pela sociedade.

Não importa se este sistema é bom ou ruim, justo ou injusto. O que importa é que ele existe. Eu, você e todas as pessoas estão inseridas nele, querendo ou não querendo, concordando ou discordando. Cabe a você ter consciência da sua existência e entender como ele funciona. Só assim você será capaz de se posicionar entre os que vendem tempo (funcionários) ou entre os que compram tempo (empresários).

Para conquistar aquilo que deseja, o empreendedor precisa pagar outras pessoas para que realizem as tarefas que ele sozinho não tem tempo e nem capacidade de fazer. Nem todo mundo tem espirito empreendedor ou esclarecimento sobre o assunto e por isto sempre existem muitos que estão dispostos a vender o próprio tempo em troca de um salário fixo.

Quem ficará com sua riqueza?

Durante uma vida inteira de trabalho, a maior parte da riqueza que você conseguirá produzir será transferida para três agentes que fazem parte do sistema onde estamos totalmente mergulhados, e de onde é impossível se libertar. São eles: empresas, bancos e o governo.

As empresas assumem riscos e oferecem direitos aos trabalhadores. Você exige a segurança e a estabilidade de um salário mensal, e em troca, recebe menos do que aquilo que produziu durante um mês de trabalho. Você transfere parte da riqueza que produz para as empresas em troca de segurança e direitos trabalhistas. Seu trabalho, junto com o trabalho de muitos outros, geram produtos e serviços de valor que serão vendidos com lucro. Você e todas as outras pessoas transferem novamente riquezas para estas empresas comprando estes produtos e serviços.

Os bancos ficam com parte da sua riqueza quando você decide comprometer a sua renda futura para comprar alguma coisa no presente. Os bancos não produzem riquezas, eles parasitam a riqueza alheia quando emprestam o dinheiro dos outros (poupadores) para aqueles que precisam de dinheiro emprestado (devedores). Para isto, cobram juros elevados do devedor e repassam uma parte pequena destes juros para o poupador. A cobrança de juros é uma maneira poderosa de transferir riquezas de quem não tem para quem já tem. O banco funciona como um intermediário que sempre lucra quando o dinheiro se movimenta entre poupadores e devedores.

O governo ficará com mais da metade de toda riqueza que você será capaz de produzir na vida. Antes do dinheiro entrar no seu bolso, você e a empresa onde trabalha precisam pagar impostos e encargos sobre seu salário. Para que a empresa pague um salário de R$ 2.000,00 ela precisa desembolsar R$ 2.596,00 onde estes 596,00 são encargos e impostos para o governo. Antes que estes R$ 2000,00 caiam no seu bolso, você precisa pagar outros encargos e impostos que reduzem o valor do salário para R$ 1.759,00. Para receber R$ 2000,00 de salário, você e a empresa onde trabalha precisam transferir R$ 837,00 para o governo. Quem produziu estes R$ 837,00 foi você através do trabalho que realizou na empresa.

O governo empobrece a sociedade. A transferência de riquezas para o governo não acaba aqui, já que os impostos não incidem só na renda. A maior parte dos impostos é cobrada no consumo. Você transfere sua riqueza para o governo quando recebe seu salário e também quando gasta o seu salário.  Se você comprar um carro, 40% do seu preço será de impostos. Cada vez que colocar gasolina no carro estará transferindo 53% do valor pago para o governo em forma de impostos. Se você resolver andar de bicicleta, 45% do seu preço será impostos. O preço de uma casa popular é composto de 48% de impostos. Quando você come arroz e feijão, 15% do que pagou é imposto. Se comer carne são mais 17%. Para que você tenha consciência de quanto da sua riqueza é transferida para o governo veja essa lista de impostos sobre produtos. (cuidado, você ficará deprimido).

O dinheiro dos impostos deveriam voltar para o seu bolso em forma de serviços públicos. Ninguém deveria pagar plano de saúde, já que pagamos pela saúde pública. Ninguém deveria pagar por escolas, já que estamos pagando para manter escolas públicas. Ninguém deveria pagar nada por segurança. O Estado já é muito bem remunerado, através dos impostos, para prestar estes serviços. Infelizmente somos obrigados a pagar duas vezes pelo mesmo serviço. Pagamos pelo serviço público que não funciona e pagamos pelo serviço privado.  Mesmo assim, ainda somos obrigados a assistir políticos fazendo piadas e chacotas sobre a triste situação da nossa carga tributaria.


Eu não estou criticando um político específico. Na minha opinião, a maioria deles possui a mesma mentalidade quando assumem o poder. O problema é a forma como a nossa sociedade enxerga o Estado. As pessoas entendem o Estado como se ele fosse uma mãe. Na verdade ele é um parasita da riqueza produzida por quem trabalha. O Estado toma e consome riquezas, quando deveria redistribui-la, promovendo melhores oportunidades para as pessoas. Quando o Estado é ineficiente, ineficaz e corrupto, não consegue cumprir esse papel. As pessoas só precisam aprender a escolher bons políticos e para isso a educação financeira é importante.

Pare de transferir riqueza para os outros:

Como vimos, as pessoas passam a vida toda trabalhando para transferir grande parte do que ganham para empresas, bancos e governos. Para construir seu patrimônio é fundamental ter consciência sobre a existência destes mecanismos de transferência. O segundo passo seria se posicionar corretamente para reduzir a parcela da sua riqueza que será transferida para estes agentes.

Você pode parar de transferir parte da riqueza que produz para as empresas, parando de vender seu tempo em troca de salário. Você pode começar a estudar e se preparar para se tornar um empreendedor.

Como empreendedor, você pode embolsar para si, todos os resultados financeiros obtidos pelo seu próprio esforço para acumular riqueza rapidamente. Em algumas atividades profissionais você pode trabalhar sozinho, em outras, terá que comprar tempo de outras pessoas para que elas façam aquilo que você não pode ou não quer fazer.

Você não deve se sentir como explorador destas pessoas. A maioria delas prefere ser funcionárias, já que preferem a segurança de um salário fixo, preferem os fins de semana, feriados e férias remuneradas, entre outros benefícios trabalhistas. As nascem e são educados para buscarem a estabilidade e a segurança de um bom emprego.

Poucos são educados para assumirem os riscos e os desafios de uma vida empreendedora. São os empreendedores que sonham e transformam sonhos em realidade. São os empreendedores que conseguem unir a força de trabalho das pessoas, o capital e todos os outros meios para transformar recursos de pouco valor em produtos e serviços de grande valor.

Veja o exemplo do dono da padaria. O trabalho do padeiro, a farinha, a água, o sal e o fogo, como componentes isolados, não matam a fome de ninguém. Já a união destes componentes na proporção certa e no tempo certo promove o milagre do pão. Sem o dono da padaria, teríamos um padeiro desempregado, já que muitos padeiros são apenas padeiros que querem vender sua força de trabalho em troca de salário.

A maioria das pessoas realmente acredita que vender tempo em troca de salário é o melhor caminho e você infelizmente não conseguirá mudar a cabeça de todas as pessoas. Cada um deve se responsabilizar pela própria expansão de mentalidade.

Como empreendedor, você pode escolher o caminho de ser um ótimo empregador. Você pode oferecer participação nos lucros da empresa, pode oferecer treinamento e tecnologia para que os funcionários produzam mais e gastem menos horas trabalhando. Você pode investir em teletrabalho, pode investir na educação e na melhoria da qualidade de vida das pessoas que ajudam você na sua empresa.

Quando você para de vender seu tempo por qualquer preço e resolve empreender para ficar com toda riqueza que produz, você aumenta muito sua capacidade de ganhos e acumulo de patrimônio. Quando você gera empregos, aumenta muito sua capacidade de produzir riqueza.

Pare de pagar juros para consumir e pague juros para produzir:

Quando você abre uma empresa tem acesso a linhas de crédito onde os juros são menores do que os cobrados de pessoas físicas. As empresas não pedem dinheiro emprestado para consumir. O dinheiro que usam é para o investimento. Isto significa pegar dinheiro emprestado pagando juros menores, para produzir produtos e serviços que vão gerar lucros muito maiores do que os juros que serão cobrados pelos bancos.

Quando você pede um empréstimo, para comprar um carro bacana, você perde riqueza pagando juros por uma compra que não vai aumentar sua renda.

Já quando você é uma empresa e compra uma máquina, a situação é diferente. Aquela máquina, aliada ao tempo e ao trabalho de uma ou mais pessoas, irá produzir riquezas que serão suficientes para pagar os juros e ainda gerar lucros.

Pare de pagar tantos impostos para o governo:

Empresas e empresários pagam menos impostos que os trabalhadores. Enquanto um trabalhador paga até 27,5% de imposto de renda, o empresário ou sócio de empresa não paga nenhum impostos sobre seus dividendos. Dividendos são uma parcela do lucro apurado por uma empresa que é distribuída entre seus sócios. O lucro do empresário é aquilo que sobra quando ele transfere para o governo os impostos que cobrou de você. Os impostos que as empresas pagam na verdade são pagos pelos consumidores. As empresas funcionam como agentes de arrecadação do governo.

O empresário transfere todos os impostos que é obrigado a pagar para o preço dos produtos. Quando o governo aumenta os impostos das empresas, esta na verdade aumentando os impostos que serão pagos pelo consumidor. É claro que nem sempre repassar os impostos é possível já que sofremos concorrência de países mais produtivos e que cobram menos impostos sobre o consumo. É por isto que o Brasil vive um processo de desindustrialização. Quando o empresário não consegue repassar os impostos mantendo margens de lucro e preços competitivos ele fecha as portas.

Até as pessoas que não possuem empresas, mas compram ações de empresas na bolsa de valores não precisam pagar imposto de renda sobre os dividendos que recebem. Elas só pagam impostos quando vendem suas ações com lucro, e mesmo assim o imposto é menor ficando em 15%.

O fato é que a população brasileira ainda não tem plena consciência de que grande parte das riquezas que produzem são transferidas para Estado. É por isto que os brasileiros discutem mais futebol do que política. Não percebem que o primeiro não tem importância e o segundo interfere diretamente na sua vida.


É melhor ser empreendedor ou empregado?

Eu não posso afirmar que seria melhor para você ser empreendedor no lugar de empregado. Não conheço sua “bagagem” e nem a empresa onde você trabalha hoje. A grande verdade é que as vezes… é melhor mesmo ser empregado. Existem empresas que valorizam seus funcionários e se preocupam com sua qualidade vida. Existem empresas que encaram seus funcionários como sócios e parceiros. Infelizmente as empresas que se comportam desta maneira são minoria. Também existem pessoas que não possuem a mentalidade preparada para empreender, e quando tentam empreender sem preparo, acabam quebrando rapidamente.

Ultimamente a mídia vem destacando a opinião de muitos especialistas, nacionais e internacionais, sobre a baixa produtividade dos trabalhadores brasileiros. Faz algum tempo que a revista The Economist publicou um artigo com um brasileiro deitado em uma rede na praia.  e o subtítulo dizia que: “os brasileiros são gloriosamente improdutivos” (veja a matéria).

 

No gráfico abaixo a produtividade do americano equivale a 100%. A produtividade dos outros trabalhadores são medidas em percentuais para a comparação. O gráfico diz que o brasileiro tem 20,6% da produtividade de um americano. Uma empresa brasileira precisa de 5 funcionários para ter a mesma produtividade que uma empresa americana consegue com apenas um. Um americano trabalhando é capaz de produzir a mesma riqueza que seria gerada por 5 brasileiros trabalhando. Veja:

O brasileiro não é preguiçoso. O problema é falta de tecnologia e treinamento para realizar o trabalho de forma produtiva. Não aprendemos a ser produtivos na escola e nem na faculdade. Não aprendemos como trabalhar menos e produzir mais. Somente multinacionais e grades empresas investem dinheiro para treinar seus funcionários para que se tornem produtivos.

Para se tornar empreendedor ou para se tornar um bom funcionário (que crescerá dentro das empresas) é fundamental aprender a ser produtivo.

Quem não trabalha nestas multinacionais precisa investir na própria carreira fazendo cursos que elevam a produtividade. As vezes as pessoas mais próximas me perguntam, como consigo realizar minhas atividades profissionais, escrever aqui no Clube dos Poupadores, responder todos os comentários, responder e-mails, escrever livros e ainda tenho tempo livre?

Eu faço isto porque investi em livros e em cursos sobre produtividade. Eu não nasci assim, eu aprendi a ser assim. Todo mundo pode aprender a ser mais produtivo. O último curso que fiz nesta área foi o curso de produtividade do Seiiti Arata, você pode assistir uma aula gratuita aqui. As vezes eu indico este curso para meus amigos e parentes e eles respondem: “Nossa Leandro, este curso é caro!”. Ai eu respondo: “Caro foi todo tempo que eu perdi na minha vida, tempo que não tem volta, por não saber como elevar minha produtividade, como tirar o melhor proveito do meu tempo. Isto sim foi caro e será um prejuízo irrecuperável”.

O fato é que as pessoas passam a vida toda produzindo pouco e acham isso normal. Por produzirem pouco são mal remuneradas. Por serem mal remuneradas e produzirem pouco, precisam trabalhar mais tempo, fazendo mais esforço para ter mais resultados.

As empresas tratam seus funcionários como se fossem adolescentes. Os chefes são os pais e os funcionários as crianças. Os funcionários precisam ser vigiados como vigiamos nossos filhos pequenos. Nem sempre o que o seu superior manda você fazer é o que deveria ser feito. Você percebe que poderia fazer melhor, mas como seus esforços não são valorizados, você acaba desistindo, se conformando e se acomodando. Neste momento você está matando o empreendedor que existe dentro de você

O investimento produtivo vem primeiro:

As vezes recebo mensagens de pessoas que gostariam de investir dinheiro em títulos públicos e outras aplicações com o sonho de antecipar a aposentadoria ou para realizar um sonho de consumo como comprar a casa própria, um carro ou viajar. Elas reclamam que não conseguem poupar nenhum dinheiro para investir. O salário que recebem é insuficiente para poupar, não sobra nada no final do mês.

Quando você é pouco produtivo, recebe pouco. Quando a atividade que você sabe fazer tem pouco valor para as empresas e para as pessoas, você recebe pouco.

Para melhorar de vida você precisa focar nestes três pontos:

  • Aumentar sua produtividade (fazer mais, gastando menos tempo, menos esforços e recursos)
  • Aprender mais e desenvolver novas habilidades em uma atividade melhor remunerada e mais valorizada.
  • Deixar de trabalhar para uma única empresa e passar a trabalhar para várias empresas ou atender vários clientes.

Estes são os três pontos-chaves que você precisa focar para conseguir acumular riqueza e construir patrimônio rapidamente. É claro que não adianta aumentar sua renda sem controlar suas despesas. Quem escolhe seu custo de vida e seu padrão de vida é você. Você também precisa ter um objetivo em mente. Precisa planejar e calcular quanto precisa para sua independência financeira.

Quando recebo mensagens de pessoas que só possuem R$ 100,00 para investir por mês, e querem saber onde investir, eu recomendo que invista este dinheiro nelas mesmas. Se a pessoa tem uma renda baixa e só consegue poupar R$ 100,00 isto significa que ela precisa urgentemente investir em um desses três pontos-chaves que indiquei acima.

Quem possui baixa escolaridade, precisam investir o pouco que conseguem poupar em educação. No mundo de hoje, quanto mais você sabe, maior é o valor do seu tempo no mercado de trabalho. Se você está recebendo pouco é porque o seu trabalho está valendo pouco. Valorize o seu tempo aprendendo a realizar trabalhos de grande valor.

Aprenda a ser mais produtivo, existem técnicas para isto, assista uma aula gratuita. Pessoas mais produtivas se destacam rapidamente no meio de tantas outras e isto faz toda diferença. As empresas contratam os mais produtivos, promovem os mais produtivos e demitem os improdutivos.

Se os seus sonhos são grandes e o espaço para crescer no seu emprego é pequeno, prepare-se e inicie seu próprio negócio com foco na produtividade.

Livro recomendado: Independência Financeira (clique para conhecer). Conheça todos os nossos livros sobre investimentos visitando aqui.

Inscreva-se para receber nossos artigos por e-mail gratuitamente.