Neste artigo como mostrar uma forma simples de calcular o preço justo de ação que paga dividendos para o investidor que adota essa estratégia.

Algumas empresas que possuem ações na bolsa dividem os seus lucros com aqueles que possuem suas ações (acionistas). Esses lucros são chamados de dividendos. Pela Lei das S.A., essas empresas devem distribuir no mínimo 25% dos seus lucros anuais para os acionistas, mas algumas empresas chegam a distribuir 80% dos lucros. Isso atrai o investidor que busca geração de renda através das ações.

Também é possível distribuir esses lucros na forma de “Juros Sobre Capital Próprio” (JCP). A diferença é que na forma de dividendo ele é isento de imposto de renda e na forma de JCP existe a cobrança de imposto de renda de 15%. Dividendos e JCP são proventos, mas geralmente as pessoas se referem aos dois proventos como dividendos. A periodicidade de pagamento varia de empresa para empresa, podendo ser mensal, trimestral ou anual. O pagamento desses proventos nunca é uma certeza, pois só é possível quando a empresa tem boa receita, bons lucros e resolve distribuir esses lucros.

Preço é importante

Para quem compra ações para receber dividendos o preço pago por ação é muito importante. Geralmente são investidores que ficam mais felizes quando os preços das ações estão em queda, pois podem comprar ações baratas que pagam dividendos. Vamos entender isso melhor através de um exemplo simplificado.

Imagine uma empresa que nos últimos anos pagou uma média de R$ 2 para cada ação. Se você tivesse 100 ações receberia 2 x 100 = R$ 200 no ano. Quanto mais ações, mais dividendos você receberia. Se você comprou essa ação por R$ 30 em algum momento do passado, esses R$ 2 representariam 6,66% ao ano de “rendimento de dividendos” (em inglês é dividend yield). Então podemos dizer que esta ação para você tem DY (dividend yield) de 6,66%. O cálculo é bem simples: R$ 2 dividido por R$ 30 = 0,0666. Multiplicando 0,0666 por 100 teremos 6,66% ao ano.

Agora vamos imaginar que o mercado mergulhou em um clima de pessimismo. Os preços de todas as ações da bolsa começaram a cair. Agora é possível encontrar a mesma ação que antes custava R$ 30 sendo negociada por R$ 20. Se o lucro dessa empresa não for atingido permanentemente pelos motivos que levaram a bolsa a cair de forma generalizada e a empresa continuar pagando R$ 2 de dividendos, em média por ano, ao comprar essa ação por R$ 20 você terá um rendimento de dividendo (dividend yield) de 10% ao ano. O cálculo é R$ 2 divido por R$ 20 = 0,1 x 100 = 10%. Perceba que quanto menor o preço pago por ação, considerando que o dividendo será o mesmo, melhor será para o investidor.

Analistas de bancos, corretoras e casas de análise costumam fazer cálculos para projetar qual dividendo eles acreditam que as empresas irão pagar no futuro. Observe que eles estão fazendo uma aposta com relação ao futuro. Você encontra um exemplo aqui.

Eu peguei das 10 primeiras ações que apareciam no exemplo postado pela corretora. Na coluna “Dividendos” temos uma projeção, ou seja, uma opinião dos analistas dessa corretor sobre quanto eles acham que essa empresa vai pagar de dividendos em 2021. Se você procurar outros analistas, eles terão projeções diferentes usando dados históricos, situação atual da empresa e o que eles imaginam que será a situação futura dos lucros dessa empresa. Então é importante entender que dividendo futuro não é uma certeza.

Na coluna “Preço” temos o preço da ação do dia que eles escreveram o artigo em 15/09/2020. A coluna “Dividendo/Preço” é uma divisão que eu fiz para encontrar o “dividend yield” onde teremos dividendo dividido pelo preço multiplicado por 100. A coluna “Div. Yeld 2021” é o resultado da mesma operação que foi divulgado no artigo da corretora com algum tipo de arredondamento.

Atualização constante

Como os preços das ações acima sofrem mudanças constantes podemos criar uma planilha que calcula constantemente o dividend yield (dividendo dividido pelo preço da ação). No final do artigo vou presentear você a planilha que fiz para escrever os exemplos desse artigo para que sirva como modelo educativo. Utilizando uma planilha do Google (fonte) você poderia utilizar a função =GOOGLEFINANCE(“Código da Ação”) para buscar o preço da ação atualizado. Quando a bolsa está fechada você terá a última cotação. Quando ela estiver aberta você terá o preço com atraso de 20 minutos. 

Na tabela abaixo eu coletei o preço atual da ação na coluna “Preço Atual” com base na função oferecida pelo Google e dividi o dividendo projetado pela corretora pelo preço atual para encontrar o resultado da coluna “DY Atual” que representa o dividend yield ou rendimento dos dividendos tendo como base o preço atual e não o preço que a corretora utilizou quando escreveu o artigo.

Como podemos ver, entre o dia 15 e o dia 30 de setembro, no início da tarde, os preços já tinham sofrido muitas variações e os dividends yields estavam diferentes do divulgado no artigo da corretora. Alguns estavam maiores devido à queda no preço da ação e alguns estavam menores pela alta do preço da ação.

A ideia desse exemplo é permitir que você entenda que a queda no preço da ação vai tornar o dividend yield ainda mais atrativo, motivando a compra de investidores que buscam esse tipo de oportunidade.

O problema é que as projeções de quanto uma empresa pagará de dividendos em 2021 são apenas especulações sobre o futuro. Não existe garantia nenhuma de que as empresas realmente irão distribuir esse dividendo calculado pelos analistas. Qualquer mudança na economia, no setor de atuação da empresa ou na própria empresa pode alterar as expectativas de receitas, lucros e distribuições de dividendos da empresa no futuro. Isso faz os investidores reavaliarem os dividendos futuros e consequentemente o preço justo pela ação da empresa. Também é importante entender que alguns setores da economia produzem receitas e lucros mais previsíveis que outros.

Definindo um dividendo alvo e um preço alvo

É possível que você mesmo(a) defina quanto aceita pagar por uma determinada ação de dividendos para que ela produza um rendimento de dividendos (dividend yield) que atenda as suas expectativas, adicionando uma espécie de “gordura” ou margem de segurança. Isso significa que vamos calcular qual será um bom preço para justificar a compra da ação e receber o rendimento que gostaríamos de receber ao ano.

Então eu adicionei três novas colunas amarelas na planilha. Vamos entender o que elas nos dizem.

No campo “Dividendo alvo” é editado por você. Eu defini que gostaria de receber 10% de dividendos ao ano, pois vamos dizer que o meu objetivo seja de receber pelo menos 6% de dividendos ao ano, mas eu acredito que os analistas foram muito otimistas na projeção de dividendos para 2021, pois geralmente analistas de instituições financeiras são muito otimistas. Então, como margem de segurança, eu vou utilizar no exemplo uma meta de dividendo de 10%.

Para que uma ação que vai pagar R$ 1,45 de dividendo em 2021 (como a primeira da lista acima) possa me oferecer 10% de retorno de dividendo, quanto eu devo pagar por essa ação? Essa é a resposta que teremos no cálculo que aparece na coluna “Bom Preço”.

Basta você dividir essa projeção de 1,45 feita pelo analista por 10% ou por 0,10 (que você digitou na planilha) para encontrar a resposta que será um “bom preço”.

No exemplo da primeira ação da planilha temos 1,45 / 0,10 = R$ 14,50. Então eu terei um bom preço de compra quando a ação cair até R$ 14,50, pois se o analista estiver certo e a ação pagar R$ 1,45 esse valor será equivalente a 10% do que paguei pela ação. Se o analista estiver otimista e a ação pagar R$ 1 de dividendo, ao pagar R$ 14,50 por ação eu terei um dividend yield de 6,89% (que era o meu objetivo inicial).

Nas colunas amarelas temos a coluna “R$” que mostra a diferença que existe entre o preço da coluna “Preço Atual” e a coluna “Bom Preço”. No exemplo da primeira ação da lista acima, o preço atual da ação deveria cair -0,13 centavos para atingir o meu “Bom Preço” que seria R$ 14,50. A coluna % apenas me diz que essa queda de -0,13 centavos equivalem a uma queda de 0,89% no preço atual da ação. A análise técnica, utilizando gráficos, pode ajudar você a monitorar esses “pontos de entrada”.

Para não ficar dependendo das projeções dos analistas você poderia adotar o histórico de dividendos da empresa nos últimos 3 ou 5 anos. Depois posso escrever como fazer isso. Eu esses temas com profundidade no meu livro sobre análise fundamentalista.

Acessar a planilha

Eu espero que você entenda que isso aqui é apenas um artigo educativo. Eu não recomendo que você compre essas ações sem saber o que está fazendo. Não recomendo que você adote esse tipo de estratégia. Eu não recomendo que você siga as recomendações da corretora que utilizei no exemplo.  A única coisa que eu recomendo é que você dedique algum tempo estudando como as coisas funcionam na prática. É isso que eu faço constantemente através de estudos como esse, livros e cursos. A estratégia baseada em acumular ações que pagam dividendos exige muita paciência, disciplina a sangue frio. Atributos raros, mas que podem ser desenvolvidos quando você entende o que está fazendo.

O endereço para acessar a planilha didática é esse aqui. O Google oferece opções de download, mas para isso você precisa clicar no botão “Fazer Login”. Você pode usar a sua conta no Google que é a mesma usada no Gmail, Youtube ou qualquer serviço do Google. Depois de fazer esse login você pode seguir os passos abaixo clicando em “Arquivo” e depois em “Fazer uma cópia”. É nessa cópia que você fez que poderá fazer as suas edições.

Recomendo a leitura de dois livros: Como Investir na Bolsa: Análise Fundamentalista e o livro Como Investir na Bolsa: Análise Técnica. Conheça todos os nossos livros sobre investimentos visitando aqui.

Inscreva-se para receber nossos artigos por e-mail gratuitamente.