O índice P/L ou “Preço da Ação dividido pelo Lucro por Ação” é um dos indicadores mais importantes para pequenos e grandes investidores que compram ações na bolsa.

O P/L nos diz quanto os investidores estão aceitando pagar por cada R$ 1 de lucro gerado anualmente por cada ação de empresa negociada na bolsa. Os investidores enxergam as ações como máquinas de gerar lucro e por isso é importante saber o preço pago por essa máquina e sua capacidade de produzir lucro.

Vou apresentar um exemplo para facilitar o entendimento.

Imagine que seu amigo está oferecendo para você uma máquina de ganhar dinheiro. Basta ligar na energia, colocar alguns insumos e esperar alguns minutos para ter produtos prontos para vender com um determinado lucro. A máquina parece maravilhosa. Mas você não pode comprar essa máquina sem antes fazer algumas perguntas para o seu amigo:

  1. Quanto custa a máquina? Vamos imaginar que custe R$ 100.000,00
  2. Quanto a máquina produz de lucro por ano? Vamos imaginar que você terá R$ 20.000,00 de lucro líquido por ano.
  3. Quanto tempo devo esperar para a máquina devolver os R$ 100 mil que vou investir nela?

Se após descontar todos os custos (energia, insumos, impostos, trabalho etc.) sobrar R$ 20 mil por ano de lucro, você terá seus R$ 100 mil de volta na forma de lucros depois de 5 anos, já que 100 mil dividido por 20 mil é 5.

Podemos dizer que o Preço/Lucro (P/L ) do investimento na máquina é 5, ou seja, você terá o dinheiro que você investiu na máquina depois de 5 anos de lucros, caso esse lucro se mantenham os mesmos R$ 20 mil por ano por 5 anos. Podemos dizer que seu lucro anual será de 20% ao ano já que 20 mil dividido por 100 mil é 0,2. Multiplicando 0,2 por 100 temos 20%. Também podemos dizer que a máquina está sendo negociada por 5 vezes o seu lucro anual. Se você encontrar uma máquina concorrente que custa 10 vezes o lucro anual, você certamente vai entender que essa máquina concorrente é mais cara, pois serão 10 anos de lucros para pagar o investimento.

Mas vamos imaginar que você acredita que os lucros que a máquina produz irão aumentar a cada ano. Vamos imaginar que você acredita em lucros de R$ 20 mil no primeiro ano, R$ 30 mil no terceiro ano e R$ 50 mil nos próximos 3 anos totalizando R$ 200 mil de lucros em 5 anos. Provavelmente você teria a percepção de que está diante de um negócio ainda melhor e até aceitaria pagar mais caro pela máquina de R$ 100 mil, supondo a possibilidade de ter aumento dos lucros a cada ano. Talvez aceite pagar 10 vezes o lucro anual (R$ 200 mil) caso acredite que a máquina aumentará sua geração de lucro a cada ano.

Na bolsa de valores podemos usar o mesmo modo de pensar. Uma empresa é uma máquina de gerar lucros. Uma ação é a menor parte de uma empresa. Quando você compra uma ação, você compra a menor parte de uma grande máquina de gerar lucros. A ação dá direito de receber a parte do lucro que ela representa. O preço de uma ação nada mais é do que a média de todas as expectativas e percepções que os investidores possuem com relação a capacidade da empresa gerar lucros no futuro. Quanto mais eles acreditam que ela poderá gerar lucros no futuro, mais eles aceitam pagar pela ação da empresa.

Teoricamente é isso que produz as constantes variações nos preços das ações. É a constante mudança de expectativas sobre os resultados futuros das empresas.

Compramos lucros futuros:

Quando os investidores compram ações, eles estão pagando hoje pelo lucro que acreditam que irão receber amanhã na forma de dividendos (se os lucros foram distribuídos) ou na forma de valorização da empresa (se os lucros forem investidos de forma inteligente pelos gestores da empresa).

Sendo assim, quanto maior o Preço/Lucro, mais cara é a ação da empresa, pois vai exigir mais anos de espera para se obter de volta o valor investido. Se a máquina de ganhar dinheiro que apresentei no exemplo inicial gerasse apenas R$ 2 mil de lucro por ano, seria necessário esperar 50 anos (P/L de 50) para ter os R$ 100 mil investidos de volta na forma de lucros.

Isso certamente seria desmotivador para o investidor, pois nem todos querem esperar 50 anos para ter seu investimento de volta, a não ser que fosse possível aumentar o lucro de R$ 2 mil por ano para R$ 20 mil por ano nos próximos anos. Dessa forma, o investidor aceitaria pagar por uma máquina de P/L igual a 50, quando acredita e aposta na crença de que, no futuro, a máquina produzirá R$ 20 mil ou mais de lucro por ano.

É por isso que podemos encontrar muitas empresas na bolsa de valores com P/L muito elevado. Esse P/L elevado tem como base a crença e a aposta de que os lucros serão crescentes.

Somos todos especuladores:

Pobre iniciante na bolsa que acredita que a análise dos fundamentos financeiros das empresas é menos especulativa que a análise técnica dos preços das ações. Mais um dos muitos mitos que espalham pela internet envolvendo os investimentos.

O que os investidores fazem quando analisam fundamentos e gráficos de preços é verificar quais apostas possuem maior probabilidade de sucesso. Nunca existem certezas absolutas com relação aos futuros lucros das empresas.

Muitos acreditam (ingenuamente) no discurso de que os investidores de longo prazo não especulam. Os de longo prazo são os que mais especulam sobre o futuro e precisam esperar muito tempo para saberem se as expectativas se tornarão realidade. Os de curto prazo descobrem mais rapidamente quando estão certos ou errados.

Através da análise fundamentalista e análise técnica estudamos o passado e o presente para identificar uma tendência futura. Empresas com bons fundamentos tendem a crescer e lucrar no futuro,  mas isso está longe de ser uma certeza. Ações com preços em tendência primária de alta, tendem a continuar em alta por um bom tempo, até que a tendência reverta. Nos dois casos estamos olhando uma trilha percorrida no passado para tentar identificar a direção que a empresa está seguindo.

Detalhe que poucos percebem:

Agora existe um detalhe que nem todos percebem e que influencia a decisão de todos os investidores quando observam os lucros das empresas em relação ao preço pago por suas ações.

Esse detalhe é o ponto de referência que agora é bem menor: “renda fixa com os menores juros da história”.

Não faz muito tempo que os investimentos de renda fixa no Brasil estavam pagando juros de quase 15% ao ano, sem qualquer risco.

Então, se você tivesse R$ 100 mil para investir em uma máquina de dinheiro, você provavelmente faria uma comparação entre esse investimento de risco ou manter os R$ 100 mil aplicados na renda fixa para produzir 15% de juros ao ano ou R$ 15.000,00 sem riscos.

Talvez você só julgasse coerente investir R$ 100 mil na máquina se ela fosse capaz de gerar 30% de lucros por ano ou R$ 30 mil, pois, dessa forma, o risco maior seria compensado por ganhos maiores do que os oferecidos pela renda fixa. Os ganhos estariam acima do custo de oportunidade, que seria o quanto você deixaria de ganhar na renda fixa para ganhar na renda variável.

Essa também era a mentalidade de muitos investidores, pequenos e grandes, diante de recursos financeiros que poderiam ser investidos na renda fixa ou renda variável como ações, imóveis, negócios etc.

Para saber mais sobre esse e uma dezena de outros indicadores importantes eu recomendo a leitura do livro sobre investir na bolsa através da Análise Fundamentalista.

Receba atualizações semanais sobre novos artigos publicados: Inscreva seu e-mail aqui.

Apoie o Clube dos Poupadores investindo na sua educação financeira. Clique sobre os livros para conhecer e adquirir:

Clique para conhecer o livro Independência Financeira
Clique para conhecer o livro Como Investir em CDB, LCI e LCA
Clique para conhecer o livro Como Investir na Bolsa por Análise Fundamentalista
Clique para conhecer o livro sobre Carteiras de Investimentos
Clique para conhecer o livro Como Investir em Títulos Públicos
Clique para conhecer o livro sobre Como Investir na Bolsa por Análise Técnica
Clique para conhecer o livro Como Investir em ETF
Clique para conhecer o Livro Como Investir no Exterior