Durante sua vida existirão poucas oportunidades para aproveitar um grande movimento de alta na bolsa de valores brasileira. Em 26 anos (entre 1982 e 2008) só ocorreram três grandes janelas de oportunidade para construir fortuna na bolsa surfando em uma grande tendência primária de alta.

Desde 2008 estamos vivendo uma grande tendência de baixa que já dura 8 anos. Muitos investidores estão neste momento se perguntando quando uma nova grande tendência de alta irá se formar.

Vamos observar o gráfico abaixo para que você possa entender como essas tendências funcionam. O gráfico mostra o desempenho da bolsa de valores entre 1963 e 2016 (53 anos). Este desempenho é avaliado através do IBOV (índice Bovespa). Este índice tem por objetivo refletir o desempenho médio das cotações das ações mais negociadas e mais representativas do mercado acionário brasileiro (fonte do gráfico). São as variações deste índice que imprensa utiliza quando afirma que a bolsa subiu ou caiu.

Qualquer pessoa é capaz de olhar o gráfico acima e constatar que as oscilações na bolsa se movimentam em um zig-zag em uma tendência de alta a versão dolarizada do gráfico. Observe que traçando uma linha ligando os maiores topos e maiores fundos do gráfico podemos desenhar um canal de alta.

Dentro deste canal de alta podemos encontrar ciclos longos com altos e baixos. Dentro de cada ciclo existe uma tendência primária de alta e uma tendência primária de baixa. Na figura abaixo podemos encontrar apenas quatro grandes tendências de alta entre 1963 e 2016. Foram exatamente nestes grandes movimentos que grandes fortunas foram construídas na bolsa de valores. Observe nas caixas amarelas da figura abaixo quais foram os momentos históricos marcantes em cada grande movimento de alta.

Como foram inúmeras mudanças de moeda nos últimos 53 anos o gráfico está dolarizado. Dessa forma, se você tivesse investido uma quantia de reais equivalente a US$ 1.000,00 em ações que refletissem o desempenho do índice Bovespa entre 2003 e o fim da tendência de alta em 2008, você teria o equivalente a US$ 20.510,00. Neste período, a alta acumulada em apenas 5 anos e 7 meses foi de 2.051%. Seria o mesmo que multiplicar qualquer valor investido por 20 vezes. Se o investimento tivesse sido de 10 mil você teria 200 mil. Se fosse de 100 mil você teria 2 milhões. Um investimento de renda fixa que segue a Taxa Selic, ou o CDI, renderia mais ou menos 119% entre 2003 e 2008.

Agora vamos observar o próximo gráfico. Veja as quatro grandes tendências de baixa sinalizadas pela cor vermelha.

Observe que períodos de grande crescimento foram precedidos de vários anos de crises internas e externas. As caixas amarelas mostram momentos históricos que marcaram as tendências de queda na bolsa. A grande lição que podemos tirar desses gráficos é que a economia sempre acaba se recuperando e isso valoriza as ações das empresas listadas na bolsa. Sempre após um longo período de crise tivemos um longo período de recuperação. Se isto aconteceu no passado diversas vezes é provável que ocorra no futuro.

Atualmente vivemos uma tendência primária de baixa que começou na crise de 2008. O governo fez inúmeras intervenções na economia para forçar sua recuperação. Quando o dinheiro público acabou, o governo começou a maquiar suas contas, congelar preços para segurar a inflação artificialmente e cometer ilegalidades nas contas públicas que acabaram gerando um pedido de  impeachment. Mergulhamos em uma crise fiscal, crise política, crise moral (com todos os principais políticos envolvidos com crimes de corrupção) e tudo isso resultou em uma grave crise econômica que um dia deverá chegar ao fim.

Ciclo atual:

Agora vamos separar o ciclo que estamos vivendo do grande gráfico de 53 anos. O ciclo onde estamos começou em 2002 e ninguém sabe com absoluta certeza se este ciclo está próximo de terminar ou se definitivamente já terminou. Veja o gráfico com a variação do índice Bovespa entre 2002 e 2016:

Existem investidores apostando que chegamos no fundo do poço, ou no fim da tendência de baixa, em janeiro de 2016. Naquele tempo o governo dava sinais que, após a saída do ministro Joaquim Levy, tentaria fazer mais do mesmo. Isso desencadeou uma grande onda de pessimismo. Bastaram os primeiros sinais de que um impeachment poderia acontecer que as ações das empresas começaram a se valorizar no início de 2016. Este movimento ficou conhecido como “Rali do Impeachment”, veja um vídeo da época.

Esta forte alta dos últimos meses reflete uma tentativa dos investidores de antecipar fatos importantes que estariam por vir e que poderiam impactar positivamente a economia. Neste caso, o fato relevante seria a troca da equipe econômica e da presidente. Não deixa de ser um movimento especulativo, já que ninguém é capaz de afirmar com 100% de certeza que o próximo governo irá recuperar a economia rapidamente. Quando o investidor observa o passado, percebe que logo após uma grande crise, sempre ocorre uma grande recuperação e isso alimenta a esperança de que estamos diante de uma grande oportunidade.

Minha recomendação:

Como educador financeiro o único investimento que posso recomendar é na sua educação financeira. O seu sucesso na bolsa de valores, ou em qualquer outro investimento, vai depender do seu esforço inicial em aprender como este investimento funciona e como ele se adapta ao seu projeto de vida.

O risco que você correrá investindo na bolsa de valores é inversamente proporcional ao seu nível de conhecimento e experiência. Quanto mais você estudar sobre o assunto, quanto mais experiência você acumular fazendo pequenos investimentos no processo de aprendizagem, melhores serão seus resultados.

É fundamental que você esteja preparado (com conhecimento e experiências) para aproveitar as próximas tendências de crescimento na bolsa de valores. A figura abaixo ilustra muito bem o que significa a primeira fase rumo ao sucesso em qualquer área da sua vida. É a fase que exige maior dedicação e esforço.

Conclusão:

Meu objetivo com este artigo foi mostrar que existem janelas de oportunidade na bolsa de valores para investimentos de longo prazo que se abrem de tempos em tempos. Em 53 anos só tivemos quatro grandes oportunidades. Na minha vida adulta eu só tive a oportunidade de acompanhar uma grande tendência de alta que foi entre 2002 e 2008. Não aproveitei aqueles anos de alta por falta de conhecimento, experiência e interesse.

Por isso, recomendo aos meus leitores que façam o que venho fazendo desde a crise de 2008 que é estudar o funcionamento da bolsa de valores e acumular experiências através de pequenos investimentos com finalidade educativa. Além da teoria é fundamental praticar. Já investi em diversos livros e cursos nos últimos anos buscando essa preparação. O último que fiz foi este curso do André Fogaça (clique aqui para ver), que ensina a investir com foco no longo prazo, aprendendo a selecionar boas empresas. Atualmente acredito que investir em boas empresas é a melhor estratégia.

Atualmente ainda temos muitas incertezas com relação ao futuro da economia. Existem pessoas confiantes na atual equipe econômica e no governo, enquanto outros estão desconfiadas. Agora em 2018 teremos eleições, novo governo e novas medidas de recuperação. A instabilidade política deve continuar, já que a Lava-jato continua seu trabalho de limpeza. Se você está otimista ou pessimista, não importa muito. O importante é estar preparado para o dia da recuperação. É isso que realmente fará a diferença.

Recomendo a leitura de dois livros: Como Investir na Bolsa: Análise Fundamentalista e o livro Como Investir na Bolsa: Análise Técnica. Conheça todos os nossos livros sobre investimentos visitando aqui.

Receba novos artigos por e-mail

Gostaria de receber atualizações do Clube dos poupadores gratuitamente por e-mail?

Esse artigo foi útil?