Este é um triste depoimento de um homem de 35 anos que teve a sua vida financeira arruinada após cometer uma sequência de erros sobre dinheiro no relacionamento. Problemas semelhantes também ocorrem com mulheres. Os ensinamentos que temos aqui podem ser facilmente adaptados para qualquer relação conjugal.

Como eu acredito que não conseguimos viver tempo suficiente para cometer todos os erros por nós mesmos, é muito inteligente aprender com os erros dos outros.

Esse tipo de relato pode ajudar muitos leitores e leitoras para que possam evitar problemas e sofrimentos desnecessários.

“Em 2019 reencontrei minha primeira namorada, voltamos a nos falar e acabamos voltando, 15 anos depois do término do primeiro namoro.

Entrei nesse relacionamento com um patrimônio consolidado em torno de 600 mil. Apartamento quitado, carro quitado e uns 50 mil guardados.

Mudei de cidade pra ficar com ela. Como começou a onda de home office, consegui continuar trabalhando na empresa que eu estava. Depois de um tempo juntos ela cismou que queria abrir uma clínica veterinária. Perguntou se eu não podia ajuda-la entrando com o dinheiro e teria 50% da empresa. Disse que podia emprestar os 50 mil e ela ia me pagando com as retiradas da empresa depois do primeiro ano de vida.

Pra resumir a história, a clínica não deu certo, ela não queria admitir que errou e ficou pegando empréstimos pra ir “segurando” a clínica até ela dar lucro. Deu como garantias meu carro e apartamento e criou uma divida de 400 mil. Estourou dois cartões meus, somando mais uns 25 mil de dívidas.

Hoje com tudo que devo, juros e tal, estou devendo quase 1 milhão. Não tenho mais nome, não tenho credito. Nem sei o que vou fazer.

A empresa quer que eu volte a trabalhar presencial, mas ela não quer se mudar comigo e eu tô perigando perder o emprego por causa disso. Ao mesmo tempo, preciso trabalhar em 2, 3 empregos. Tem dia que trabalho 22 horas. Mas tudo freela.

Não consigo vender o AP porque só consigo ofertas que não cobririam a divida e ainda perderia o bem, o carro tá alienado e nem adianta falar em vender pq ela não aceita.

Tô pensando seriamente em terminar tudo e tentar me levantar sozinho, pq além de tudo ainda tem cobranças da parte dela que só ando cansado. Nem sei como fazer pq hj não tenho nome nem pra alugar uma barraca pra morar.

Tenho minha culpa de ter confiado, mas achei que ela sabia o que estava fazendo. Teve uns avisos que eu devia ter me ligado, tipo, toda vez que eu pedia o balanço da clínica ela começava uma briga, dizendo que eu não confiava nela, que ela sabia o que estava fazendo. Quando eu disse que queria separar as finanças, meu dinheiro era meu, o dela era dela, a gente pegava as contas e dividia proporcionalmente, aí ela falava que eu estava esfregando na cara dela que eu ganhava mais e que pra ela não existia dinheiro dela, era tudo nosso.

Renegociar as dívidas não da. As empresas já não acreditam em mim, mesmo pq não tô conseguindo pagar mesmo. Minha ansiedade já tá na pqp, fico aguardando o dia que vai aparecer alguém pra tomar meu carro, que vou receber a notificação que vão tomar meu apartamento. Não tenho prazer mais na vida. Estava tudo caminhando pra eu poder me aposentar em 10 anos (tenho 35 hoje) e agora tá tudo encaminhado pra eu trabalhar até morrer.

Enfim, desculpa o desabafo.

Se alguém souber como eu consigo sair dessa e puder me dar um caminho, agradeço”.

Algumas lições que você deve aprender:

Proteja o seu patrimônio do seu relacionamento

Infelizmente, as famílias não se estruturam mais como antigamente. As próprias leis não oferecem segurança para a antiga estrutura.

Hoje, as pessoas estão mantendo os relacionamentos somente enquanto eles trazem satisfação pessoal. Os relacionamentos atuais estão sujeitos a uma substituição repentina, por outro relacionamento que prometa ainda mais satisfação. Tudo próximo de você conspira contra a construção da identidade de um casal baseado na integração entre dois indivíduos, como acontecia no passado.

A vida de cada um ficou sujeita a mudar de uma hora para outra, às vezes de forma imprevisível. As pessoas literalmente podem abrir o Instagram em um dia qualquer e logo em seguida cismarem que devem abrir um negócio, acabar com um casamento, mudar de cidade, mudar de religião, adotar uma ideologia política utópica e assim por diante.

Diante de tanta instabilidade na vida pessoal e foco na satisfação individual é importante ter cuidado. Ao tomar a decisão de morar com outra pessoa é importante estabelecer medidas para proteção do seu patrimônio e a sua renda.

O único regime que faz sentido na realidade que vivemos hoje,  quando temos relacionamentos frágeis que podem se dissolver da noite para o dia,  é o regime da separação total de bens.

A separação total de bens oferece a separação patrimonial e os bens do casal não se comunicam.

Isso significa que, tanto os bens adquiridos depois do casamento, quanto os bens adquiridos antes do casamento, permanecerão sendo particulares de cada pessoa. Isso inclui as novas dívidas e as antigas. Se a outra parte cismar que precisa fazer uma dívida para abrir um negócio, entrar em uma pirâmide, dar a volta ao mundo sozinha ou qualquer outra mudança repentina, o problema não será seu.

Se você vive na mesma casa com uma pessoa, sem o casamento civil (como se estivesse namorando), você vive um relacionamento totalmente inseguro com relação a sua vida financeira. Se é apenas um namoro, procure um advogado e solicite orientações sobre com fazer um contrato de namoro ou formalize através de um casamento civil com regime de separação total de bens.

O namoro pode ser configurado como uma relação estável (igual um casamento), mesmo contra a sua vontade. Se isso acontecer, você estará dentro do regime de comunhão parcial de bens, ou seja, todos os bens e dívidas adquiridos depois do início da relação serão compartilhados entre os dois. Não importa quem foi o responsável pela compra do patrimônio ou por adquirir a dívida.

O vídeo abaixo mostra que uma das perguntas mais comuns enviadas para os advogados que trabalham nesta área é essa: quanto tempo morando com o meu namorado para ter direito aos bens dele?. Isso significa que existem pessoas que iniciam um namoro com foco nos seus bens. Essas pessoas estão buscando informações sobre estratégias para ficar com parte do que é seu. Infelizmente as leis não oferecem segurança para um relacionamento não oficializado. Se você tem bens, não se relacione com ninguém sem um contrato ou sem o casamento civil com separação total de bens. Clique na figura baixo para assistir ao vídeo.

“É preocupante saber que esse tipo de pergunta é comum”

Reserva sagrada

A sua reserva de emergência só deve ser gasta com emergências. Abrir uma clínica veterinária, por sua parceira ter cismado com isso, não é uma emergência. Os R$ 50 mil jamais deveriam ser destinados para esse fim.

Sociedade

Evite ter sócios, pois dificilmente dá certo. Evite mais ainda ser sócio de um parente. O parentesco com esposas e maridos podem ser desfeitos com muita facilidade, principalmente hoje. Isso costuma ser um grande problema já que a vida familiar tende a se misturar com os negócios e o resultado não costuma ser positivo. Sócios precisam ter habilidades e conhecimentos complementares para que funcione bem. Não deve existir nada que dificulte o fim de uma sociedade e ser parente do sócio dificulta.

Negócios começam pequenos

Se você só tem 50% do dinheiro necessário para abrir um negócio, abra um negócio menor. Comece pequeno, pois se errar esse erro será pequeno. Cresça com cuidado. Faça o negócio financiar o próprio crescimento.

Não misture as coisas

Se você é um veterinário, médico, contador, advogado, engenheiro, nutricionista ou qualquer outra profissão relacionada a prestação de serviços, tenha muito cuidado ao se envolver com o comércio. Eu já vi alguns profissionais com boa formação quebrando no comércio. O fato de você ter um diploma universitário não significa que você será um bom gestor de um negócio, principalmente de um comércio. No caso dos veterinários é muito comum o sonho de abrir uma clínica veterinária junto com um pet shop. Existe uma enorme diferença entre abrir um consultório e abrir um comércio. A probabilidade de você quebrar o comércio por não entender nada sobre o assunto é grande. O comércio exige conhecimentos sobre finanças, vendas, marketing, gestão de pessoas, planejamento, direito trabalhista, civil, tributário etc. Tive um professor, na faculdade de administração de empresas, que falava o seguinte: “Abrir um negócio pequeno é para poucos. Abrir um negócio grande é para loucos”. Comece pequeno e cuidado ao se envolver com comércio.

Assuma o erro rapidamente

Ao perceber que abrir o negócio foi um erro, assuma esse erro imediatamente e resolva o problema. Não faça dívidas para manter o erro. Não deixe o erro crescer. Você só deve fazer dívidas quando tem um negócio que funciona, é lucrativo e tem potencial de crescimento comprovado para pagar essas dívidas. Nunca faça dívida para salvar um negócio que não está funcionando bem e não está se mostrando lucrativo.

Não ofereça seus principais bens como garantia

Nunca permita que outra pessoa utilize seus bens como garantia de empréstimos e financiamentos. Não importa se esta pessoa é um parente. Nem você mesmo deveria usar a sua própria casa como garantia de empréstimo, principalmente se for para salvar um negócio ruim, que não está se sustentando sozinho.

Cartão de crédito é como escova de dente

Nunca empreste o seu cartão de crédito para outra pessoa, mesmo sendo um parente. Cartão de crédito é como escova de dente, não se empresta. Sua esposa deve ter o seu próprio cartão de crédito. No regime de separação de bens, as dívidas também são separadas. Cada um é responsável por sua dívida. Se for um regime de comunhão de bens ou comunhão parcial de bens, as dívidas são divididas entre os dois, ou seja, a outra pessoa pode fazer dívidas onde você será responsável por pagar a metade, mesmo não concordando com a dívida feita.

Não misture

Não misture as finanças da empresa com suas finanças pessoais. Nunca faça empréstimos e financiamentos como pessoa física para por esse dinheiro na sua pessoa jurídica. Se for necessário fazer dívidas, a empresa é que deve fazer essa dívida como pessoa jurídica.

A casa é sagrada

Nunca entregue a casa onde você mora como garantia de uma dívida. Nunca venda sua casa para pagar uma dívida.

Não confie

Nunca confie nos conhecimentos e nas habilidades de outras pessoas quando o assunto for gastar o seu dinheiro. Se você vai colocar o seu dinheiro no negócio, então você obrigatoriamente deve se envolver no negócio, ou seja, você deve saber exatamente o que estão fazendo com o seu dinheiro. Se a sua esposa ou marido perguntar: “você não confia nas minhas habilidades e conhecimentos sobre o uso do dinheiro?”  Se o dinheiro é seu, a resposta deve ser: “Não, eu não confio nem em mim mesmo.” Aprenda a falar o que você pensa, exatamente como você pensa, quando o assunto for sobre o seu sacrificado dinheiro.

O seu dinheiro é nosso dinheiro?

Sobre a parte onde o depoimento fala: “pra ela não existia dinheiro dela, era tudo nosso”. Aqui mostra a importância de oficializar a relação. Se é uma união, então deve existir um casamento. Se os dois trabalham, possuem renda e/ou patrimônio, então é fundamental, nos dias de hoje, que se adote o regime de separação total de bens. Cada um deve ter sua vida financeira separada e em comum acordo devem compartilhar as despesas caso morem juntos. Se forem comprar um bem para os dois, como um imóvel, deve ficar registrado no documento do imóvel qual percentual do mesmo pertence a cada um e isto está relacionado a quanto cada um contribuiu para a compra do imóvel. Assim pode ser feito com tudo de valor que for comprado. Isso evita uma enorme quantidade de problemas e não altera em nada a vida de pessoas que se relacionam de forma bem intencionada.

Não permita a destruição

Por fim, não permita que um novo relacionamento destrua vários anos de trabalho, economias e investimentos. Os recursos que você está acumulando para atingir a sua independência financeira são recursos sagrados já que você consumiu parte do seu tempo, saúde e vida para acumular esses recursos. Esse tempo não tem volta. O seu patrimônio representa a vida que você consumiu para conquistá-lo. Merece ser respeitado e cuidado, já que o seu bem-estar no futuro também vai depender do seu patrimônio.

Prepare-se para um mundo estranho

Não misture a sua vida financeira com a sua vida amorosa. O mundo está mudando e as coisas estão ficando cada vez mais estranhas. O que funcionou com os seus avós e com os seus pais, está deixando de funcionar.

Recomendação

Um relacionamento como este que foi descrito no depoimento deve ser finalizado imediatamente. Uma pessoa com 35 anos ainda é jovem. Existe tempo suficiente para reconquistar tudo e agora existem mais conhecimentos, experiências e sabedoria para lidar com o seu patrimônio. Talvez tudo isso aconteceu para que pudesse se transformar em um depoimento compartilhado que ajudará muitas pessoas. Procure uma orientação legal, pois certamente metade dessa dívida não precisa ser paga por você. Se não existe separação total de bens, metade dessa dívida não é sua.

Todos os problemas descritos aqui também poderiam ocorrer com mulheres e outras combinações.

Receba atualizações semanais sobre novos artigos publicados: Inscreva seu e-mail aqui.

Apoie o Clube dos Poupadores investindo na sua educação financeira. Clique sobre os livros para conhecer e adquirir:

Clique para conhecer o livro Independência Financeira
Clique para conhecer o livro Como Investir em CDB, LCI e LCA
Clique para conhecer o livro Como Investir na Bolsa por Análise Fundamentalista
Clique para conhecer o livro sobre Carteiras de Investimentos
Clique para conhecer o livro Como Investir em Títulos Públicos
Clique para conhecer o livro sobre Como Investir na Bolsa por Análise Técnica
Clique para conhecer o livro Como Investir em ETF
Clique para conhecer o Livro Como Investir no Exterior