Você consegue listar quem são as pessoas e as instituições que estão atrapalhando (ou já atrapalharam) seu crescimento financeiro, profissional e pessoal?

Você sabe justificar sua situação financeira atual e por qual motivo você não está em situação melhor?

Às vezes você sente-se vítima do sistema econômico, da empresa onde trabalha ou do governo?

As pessoas só atrapalham seu crescimento e por isto você não consegue prosperar?

Se você se identifica com os questionamentos acima ou conhece alguém que pense assim, saiba que isso é normal. A maioria da população que vive hoje com problemas financeiros ou com dificuldades de evoluir financeiramente, pensa desta forma.

Se você já se interessou pela história de vida de alguém que conquistou grande sucesso profissional e financeiro deve ter observado que não se trata de uma história livre de sacrifícios, problemas e sofrimentos.

Autores como T. Harv Eker acreditam que as pessoas não estão dispostas a fazerem grandes sacrifícios para atingirem os seus objetivos. Por este motivo, resolvem assumir o papel de vítimas para serem recompensadas emocionalmente por isto. Temos uma tendência de negar que possuímos controle e responsabilidade sobre nossa própria situação financeira, profissional e pessoal.

Sua forma de ver o mundo

Em seu livro “Os Segredos da Mente Milionária” o autor defende a ideia de que as pessoas bem-sucedidas e consequentemente ricas, acreditam ser autorresponsaveis pela vida que levam. É por este motivo que elas se sacrificam. Elas acreditam que podem construir a própria vida.

Já as outras pessoas, que não conseguem o mesmo sucesso, tendem a colocar a culpa nos outros. A culpa costuma ser do governo, da empresa onde trabalham, dos pais, da família, dos amigos, dos inimigos etc. De forma inconsciente e sem muito controle elas criam diversas justificativas para a sua situação atual se colocando em uma posição de vítima. Por incrível que pareça ser a vítima é sempre mais confortável, pois você tira das suas costas o sentimento de culpa.

Segundo o autor, enquanto algumas poucas pessoas concentram tempo e esforço em oportunidades, a maioria concentra tempo e esforço criticando, questionando e lutando contra aqueles que ela acredita ser o obstáculo.

Enquanto a minoria que atinge algum sucesso admira outras pessoas bem-sucedidas, a maioria se ressente, as vezes até atacam e odeiam as pessoas que atingiram o sucesso que elas gostariam de ter.

É fato que a responsabilidade que temos sobre nossas vidas é dolorosa. Esta responsabilidade é a causa das nossas angústias. Essa angústia decorre da consciência que temos de que são as nossas escolhas que definirão nossa essência, nosso presente e o nosso futuro. Somos frutos das nossas próprias escolhas. E se isto já não fosse dolorosamente suficiente, nossas escolhas podem afetar, de forma irreversível, positiva ou negativamente, as pessoas que estão próximas e o próprio mundo.

A angústia, portanto, vem da própria consciência da liberdade e da responsabilidade em usá-la de forma adequada.

Com base nestes conceitos muitos autores desenvolvem teorias focadas na nossa autorresponsabilidade.

Infelizmente as pessoas que mais precisam deste tipo de ajuda, são as mesmas que fogem dos livros e dos autores que tratam estes assuntos.

Você se faz de vítima e não percebe?

Existem pessoas que são realmente vítimas (minoria) e aquelas que fazem papel de vítima (maioria).

São duas coisas bem diferentes. Assumir o papel de vítima dificulta muito o progresso pessoal e econômico das pessoas.

Muitas vezes, a vitimização ocorre para chamar a atenção das outras pessoas, normalmente para amigos e parentes próximos. Existe uma confusão entre receber atenção das pessoas e receber amor das pessoas. São duas coisas diferentes. Vamos entender melhor o funcionamento disso.

Você se identifica com as afirmações abaixo?

1) Eu não tenho culpa.

Quando você coloca a culpa pela situação em que se encontra em pessoas ou coisas externas, isto produz uma enorme sensação de alívio.

O problema é que fazemos isso sempre sem perceber. Não é planejado e não parte da nossa vontade consciente.

É um mecanismo natural do seu cérebro, um mecanismo de defesa chamado “Projeção” que o seu cérebro usa para evitar uma possível depressão.

Sigmund Freud – Criador da Psicanálise

“Muitas vezes nos defendemos da angústia gerada por fracasso, culpa ou nossos defeitos projetando a responsabilidade por esse fato em alguém ou em algo. Temos como exemplo um jogador de tênis que, ao perder uma partida, justifica sua perda botando a culpa na qualidade da raquete.”

Se autoresponsabilizar por tudo que você vive hoje é bem doloroso. Se por um lado colocar a culpa nos outros é agradável para você, para quem está perto de você… é bem desagradável.

Para algumas pessoas colocar a culpa nos outros é quase que um hobby diário. Basta visitar as redes sociais, site dos jornais e ler o conteúdo das áreas de comentários.

Existem milhares de pessoas que passam o dia todo nas redes sociais e sites reclamando e colocando a culpa de tudo nos outros. Elas não percebem que estão perdendo um tempo precioso que poderiam usar para uma autocrítica e um trabalho de autoaperfeiçoamento.

As pessoas que se fazem de vítima estão a todo momento colocando a culpa na economia, no governo, na direita, na esquerda, no centro, na religião, nos ateus, nas empresas, nos familiares, em Deus, nos demônios, no acaso e no azar. A culpa e os problemas sempre estão em alguém ou em alguma coisa externa.

As vezes o problema está dentro de quem reclama essa reclamação retarda ou impede a reação para solucionar o problema.

2) Eu tenho justificativa para minha situação

Existem muitas justificativas que você cria (sem perceber) para explicar sua atual situação financeira. Uma destas justificativas, citada no livro de T. Harv Eker é a tradicional: “Para mim dinheiro não é tão importante”. Outra crença que comum é: “Dinheiro é feito para gastar e não para poupar”.

Normalmente pessoas que pensam assim passam a vida toda com problemas financeiros. Eu conheço algumas. Não percebem que o dinheiro é um potencializador de quem somos e do que fazemos. Se você é uma boa pessoa e possui muito dinheiro, utilizará este dinheiro para potencializar tudo de bom que pode fazer para você, para as outras pessoas e para o mundo. Se você é uma pessoa má, o dinheiro lhe dará o poder de fazer todo tipo de maldade. Para quem é vazio e fútil, poderá usar o dinheiro para realizar todo tipo de futilidade e inutilidade.

Outra justificativa: “O amor é mais importante que o dinheiro, por isto eu não tenho dinheiro”. Para Harv esta comparação é equivocada. Seria como julgar se as suas pernas são mais importantes que os seus braços. Na prática, braços e pernas são igualmente importantes e possuem funções totalmente diferentes e de grande utilidade.

O dinheiro é importante nas áreas da vida onde ele produz resultados úteis e insignificante onde não possui qualquer utilidade.

Até mesmo quem dedica a vida dando atenção e amor ao próximo precisa de dinheiro para distribuir alimentos, construir escolas, ONGs, igrejas, hospitais etc. O dinheiro é importante porque viabiliza e potencializa as suas ações.

Não existe justificativa para não pensar e trabalhar duramente para conquistar a sua prosperidade financeira.

Talvez a única justificativa real seja a de que as pessoas não estão dispostas a fazer grandes sacrifícios para atingir o sucesso financeiro.

3) Eu não posso reclamar? Mas essa é a única coisa que adoro fazer!

Reclamar ou queixar-se de tudo se tornou um grande vício. Reclamar é gostoso, viciante e contagioso. Existem redes sociais que sobrevivem do tempo que milhões de reclamadores gastam todos os dias “trabalhando” para essas redes gratuitamente criando conteúdo, compartilhando e curtindo.

Muitos acreditam que a reclamação é o maior problema de saúde mundial. Nunca se reclamou tanto. Toda essa reclamação está gerando desequilíbrios e doenças psíquicas e físicas nas pessoas. Certamente você já ouviu falar dos malefícios do estresse e do mal humor na saúde das pessoas. Para piorar, reclamação e mal humor são contagiosos.

Quando você gasta seu tempo e suas energias reclamando, está focando sua vida nos problemas. Quando vivemos pensando, se lamentando e reclamando de problemas acabamos chamando a atenção de pessoas problemáticas e gerando situações problemáticas. Quando você se transforma em um “reclamão”, acaba atraindo outras pessoas iguais a você por afinidade, ou seja, pessoas que também adoram reclamar acham você uma pessoa muito legal por reclamar das mesmas coisas.

Aos poucos você vai construir um círculo de amizades com pessoas que reclamam das mesmas coisas que você reclama. É provável que você possua amigos que você gosta de conversar por eles reclamarem das mesmas coisas que você reclama. Muitas amizades que você possui provavelmente se resume a um colega de reclamações.

Perceba que cada amigo seu é especializado em reclamar de uma coisa diferente. Pessoas próximas que reclamam e só falam de problemas provavelmente só vão trazer problemas para a sua vida.

Você já deve ter percebido, entre seus amigos e parentes, que as pessoas que mais se lamentam da vida são justamente aquelas mais azaradas. Se alguma coisa pode dar errado ela sempre da errado na vida de quem vive se lamentando.

Então você pode se perguntar: será que as pessoas reclamam porque a vida delas é um inferno, ou será que a vida delas se torna um inferno porque elas reclamam de tudo?

As reclamações e lamentações prejudicam o sucesso financeiro da pessoa que reclama e de todos que estão a sua volta.

Se afastando de pessoas que só reclamam

Muitas vezes reclamamos muito e não nos desenvolvemos profissionalmente e financeiramente porque estamos cercados por pessoas que não param de se queixar.

Este hábito, e as emoções negativas que sentimos ouvindo reclamações constantes, interferem no nosso humor, afetam nossa força de vontade, diminuem nossa força de ação, de mudança, de crescimento. Existem pessoas que realmente nos desmotivam e nos desencorajam. Quando usamos muito as redes sociais temos milhares de pessoas gerando conteúdo para nos desanimar todos os dias.

Alguns autores alertam que se você gosta de conversar com pessoas que se queixam é porque você está esperando a sua vez de se queixar para ela. Se você já não tem amigos e parentes querendo ouvir suas reclamações você utiliza as redes sociais e encontra muitas pessoas como você.

Existe um autor chamado Will Bowen (autor deste livro aqui) que ensina um método muito fácil e curioso para acabar com as suas reclamações.

O resultado é chocante porque rapidamente você vai perceber o quanto perde tempo reclamando. A aplicação é simples, você só vai precisar de um elástico de dinheiro.

O autor convida você a colocar um elástico desses em um dos pulsos. Sempre que você reclamar ou se queixar de qualquer coisa, você deverá colocar o elástico no seu outro pulso. Não importa o motivo de reclamação e se o alvo da reclamação é uma pessoa, você mesmo, uma empresa ou o calor de um dia quente.

Basta reclamar verbalmente para trocar o elástico de braço. É permitido reclamar mentalmente, mas você não pode externalizar a reclamação (falar, fazer careta, barulhos e gestos que jogue a sua reclamação para fora).

Will Bowen desafia você a ficar 21 dias seguidos sem reclamar ( apenas 3 semanas ). Se fizer qualquer reclamação a contagem de dias deve ser zerada e você precisa começar novamente.

Normalmente as pessoas demoram 8 meses para conseguir esse feito de ficar 21 dias sem reclamar. Pode demorar meses para que você conquiste 7 dias sem reclamar.

Eu posso afirmar que 7 dias é suficiente para que você fique deprimido ao perceber como você reclama de tudo sem perceber. Já se tentar ficar por 21 dias, você acabará perdendo o hábito de reclamar.

Como falei inicialmente, reclamar é gostoso, viciante e contagioso. Você não vai conseguir largar o segundo “vício dos vícios” (o primeiro é a vaidade) sem força de vontade para superar o sofrimento que é deixar de reclamar e se responsabilizar por sua vida.

Normalmente não percebemos o quanto reclamamos. Esta conscientização é transformadora.

Se não devemos reclamar, o que fazer?

O mesmo tempo e atividade cerebral que você gasta pensando no problema e reclamando, você pode gastar pensando na solução do problema e conversando com as pessoas sobre seus planos para solucionar os problemas.

Ao fazer isto as pessoas que você conhece poderão ajudar com conhecimentos, dicas e com recursos. As oportunidades vão surgir de quem você menos espera. Ao falar de soluções as pessoas podem se envolver e te ajudar a solucionar o problema abrindo portas e oferecendo oportunidades. É por este motivo que falar de soluções de problemas é melhor que reclamar de problemas, embora seja mais trabalhoso, demorado e chato, pois reclamar tende a ser mais divertido.

Quando você se conscientiza que a sua situação é culpa sua, e principalmente da mania de culpar os outros, se justificar e reclamar, você para de fazer tudo isso e começa a pensar em soluções para seus problemas. Nunca tem relação com tentar mudar o outro.

Você vai parar de atrair pessoas que gostam de falar de problemas e atrairá a atenção das pessoas que gostam de falar de soluções. Diante de um problema a solução virá da sua reação e não da sua reclamação.

RECLAMAÇÃO = REAÇÃO

Pessoas positivas, pessoas bem-sucedidas, pessoas que oferecem oportunidades e abrem portas estão sempre se afastando de gente que só reclama e buscando se aproximar de pessoas também positivas que falam de oportunidades e soluções de problemas. A internet está cheia de sites e pessoas que oferecem conteúdos que ajudam a resolver problemas, assim como existem conteúdos reclamando dos problemas. Você escolhe qual vai consumir.

“O mais alto estágio da cultura moral é quando reconhecemos
que precisamos controlar nossos pensamentos.”
CHARLES DARWIN

Culpar as pessoas, se justificar e reclamar funcionam como uma droga que alivia o seu estresse e as tensões de ter fracassado em diversos aspectos da sua vida (e não só o financeiro). Esse mecanismo que dopa e paralisa a sua vida é produzido pelo seu cérebro de forma inconsciente. Se você não estivesse sendo malsucedido em algum aspecto da sua vida, naturalmente não precisaria jogar a culpa nos outros, nem se justificar e muito menos reclamar.

Estou viciado em reclamar, e agora?

Existem pessoas que ficam viciadas em reclamar. Ao se sentirem vítimas, recebem uma recompensa que é a atenção dada por alguns amigos e parentes.

São pessoas que confundem receber amor com receber atenção para queixas. As pessoas que estão dispostas a ouvir suas reclamações não fazem isto porque te amam. Muitas vezes fazem isto por pena ou porque simplesmente estão esperando a vez delas de se queixar também. Existe ai uma troca de queixas que, na maioria das vezes, é improdutiva e altamente viciante.

Na verdade todas as pessoas gostam de receber atenção. Nos sentimos felizes quando recebemos a atenção das pessoas (conhecidas ou desconhecidas). O problema é como você anda chamando a atenção das pessoas. Existem aqueles que chamam atenção mostrando que são vítimas e reclamando da vida. Existem aqueles que chamam atenção ouvindo os queixosos. Existem os que chamam atenção lutando, superando desafios, resolvendo problemas, conquistando o que deseja dentro e fora das suas atividades profissionais. Os resultados financeiros são inevitáveis para quem para de reclamar e passa a agir.

Todos nós queremos atenção do mundo, queremos nos sentir importantes, admirados e amados. O problema é como você faz para chamar atenção. Se está chamando atenção se vitimizando, você tem um problema que precisa ser resolvido. A conscientização é o primeiro passo.

A busca por atenção gera muitos problemas. Existem aqueles que fazem tudo para agradar os outros em troca de atenção. Como não podemos agradar a todos, e como não temos reconhecimento de todo bem que fazemos, este tipo de pessoa tende a reclamar.

Você daria atenção e sentiria pena de um amigo seu que fosse até você se lamentar do defeito de fabricação do seu novo iate ou da sua Ferrari recém importada?

Talvez você se comovesse mais se ele estivesse enfrentando esse problema após comprar um carro popular usado. Existem autores que defendem a ideia de que existem pessoas que inconscientemente, fazem questão de nunca enriquecerem ou nunca terem sucesso profissional e financeiro. Essa pessoa perderia o motivo que a permite se sentir vítima e com isto perderia a atenção das outras pessoas.

Conclusão

Para ter sucesso profissional e financeiro você precisa se convencer de que é o único responsável por tudo de bom e tudo de ruim que acontece na sua vida.

Normalmente são as coisas que você acredita, que produzem pensamentos bons ou ruins e motivações que geram ações boas ou ruins para sua vida. E isto interfere diretamente o tipo de vida que você tem hoje e terá no futuro.

É se sentindo vítima que você entra no shopping e diz, para você mesmo, a seguinte frase: “Não importa o preço. Vou comprar porque mereço!” Sim, você merece porque afinal de contas acredita que é uma vítima do sistema. O alivio do sofrimento será sempre colocar culpa nos outros, reclamar de todos e criar justificativas até para o consumismo.

Reclamar é um hábito destrutivo que precisa ser eliminado da sua vida. Ao reclamar e falar de problemas você só atrai mais problemas.

O tempo que você perde reclamando é o mesmo que poderia investir na leitura de livros que falam sobre soluções de problemas.

Independência Financeira

Aqui começa a sua jornada. No final, o trabalho será por paixão e não por obrigação. Crie o seu plano de construção de patrimônio colecionando investimentos que geram a renda que pagará pelo seu estilo de vida. Tenha de volta o seu tempo livre para aproveitar como quiser. Conquiste uma vida mais leve e menos corrida. Todas as ferramentas para você planejar e iniciar a sua jornada até a sua independência financeira. Comece por esse livro.

Saber mais
Comprar

Receba um aviso por e-mail quando novos artigos como esse forem publicados. Inscreva-se gratuitamente:

Apoie o Clube dos Poupadores investindo na sua educação financeira. Clique sobre os livros para conhecer e adquirir:

Clique para conhecer o livro Independência Financeira
Clique para conhecer o livro Como Investir em CDB, LCI e LCA
Clique para conhecer o livro Como Investir na Bolsa por Análise Fundamentalista
Clique para conhecer o livro sobre Carteiras de Investimentos
Clique para conhecer o livro Como Investir em Títulos Públicos
Clique para conhecer o livro sobre Como Investir na Bolsa por Análise Técnica
Clique para conhecer o livro Como Investir em ETF
Clique para conhecer o Livro Como Investir no Exterior