Veja a lista de todos os investimentos garantidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito)

Quando você faz um investimento de renda fixa você está literalmente emprestando o seu dinheiro para uma instituição financeira, ou seja, você tem um crédito a receber dessa instituição. O FGC oferece uma proteção aos investidores de renda fixa, até determinados limites, caso a instituição financeira onde investiu sofra intervenção, liquidação extrajudicial ou entre em estado de insolvência (falência).

O FGC garante a devolução do dinheiro investido em:

  • depósitos à vista ou sacáveis mediante aviso prévio (saldo da conta);
  • depósitos de poupança;
  • depósitos a prazo, com ou sem emissão de certificado; (CDB e RDB)
  • depósitos mantidos em contas não movimentáveis por cheques destinadas ao registro e controle do fluxo de recursos referentes a prestação de serviços de pagamento de salários, vencimentos, aposentadorias, pensões e similares;
  • letras de câmbio; LC
  • letras hipotecárias; LH
  • letras de crédito imobiliário; LCI
  • letras de crédito do agronegócio; LCA
  • operações compromissadas que têm como objeto títulos emitidos, após 8 de março de 2012, por empresa ligada.

Investimentos não garantidos:

A falta de proteção não significa que são investimentos que devem ser evitados. Significa apenas que você deve levar isso em consideração quando tomar a decisão de investimento.

Títulos Públicos – que você pode adquirir através do Tesouro Direto não possuem garantia do FGC. Neste caso, a garantia é oferecida pelo Governo Federal. Como você sabe, quem paga as contas e as dívidas do governo é a população brasileira através dos impostos. O Governo também é capaz de produzir dinheiro para pagar suas dívidas através da emissão de moeda ou mecanismos similares que produzem o mesmo efeito e geram inflação. Podemos dizer que a garantia é o bolso dos brasileiros e a capacidade do governo produzir dinheiro a partir do nada. Por esse motivo, não existe investimento mais seguro, usando moeda local, dentro de cada país, do que os títulos da dívida pública emitidos pelo seus governos. O risco está no descontrole das contas públicas, inflação e destruição da economia, como já aconteceu em outros países.

Fundos de Investimento Imobiliário (FII) – É importante não confundir Letras de Crédito Imobiliário com Fundos de Investimento Imobiliário. As Letras (LCI) são protegidas, mas os Fundos de Investimento Imobiliário não contam com garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

Fundos de Investimento Financeiro – Aqueles fundos oferecidos pelos bancos para seus clientes não são garantidos pelo FGC. É importante que você perceba que o patrimônio dos bancos não se mistura com o patrimônio dos fundos de investimento que eles administram.  Quando um banco enfrenta problemas, os cotistas do fundo podem fazer assembleias para mudar a administração do fundo para outro banco. É como um condomínio que muda de síndico. O risco do investimento em fundos depende dos investimentos que esse fundo fez com o dinheiro dos cotistas.

Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) – São títulos lastreado em ativos imobiliários de diversos tipos, como CCI (Cédulas de Crédito Imobiliário), carteira de recebíveis etc. Só pode ser emitido por companhias securitizadoras, responsáveis por estruturar os créditos imobiliários e transformá-los em CRIs. Estes títulos não são protegidos pelo FGC.

Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRA) – São títulos de crédito emitidos por companhias securitizadoras de direitos creditórios do agronegócio, com base em recebíveis adquiridos. O dinheiro investido em CRA não é garantido pelo FGC.

Debêntures – São títulos de crédito emitidos por empresas de vários ramos, com o objetivo de financiar investimentos, rolar dívidas, fornecer capital de giro, entre outros. As debêntures também não possuem a garantia do FGC. É uma forma de emprestar dinheiro para as empresas. Você deve avaliar a solidez da empresa antes de emprestar o dinheiro.

Letras Financeiras (LF) – Título emitido por bancos múltiplos, comerciais, e de investimento; sociedades de crédito, financiamento e investimento; caixas econômicas; companhias hipotecárias; e sociedades de crédito imobiliário. Se parece com o CDB, mas não possui garantia do FGC.

Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios – É um tipo de aplicação em que a maior parte dos recursos é destinada à aquisição de direitos creditórios que uma empresa tem a receber, como duplicatas, cheques, contratos de aluguel e outros. O direito de recebimento desses créditos é negociável, quer dizer, a empresa o cede a terceiros e isso é feito por meio de um FIDC. Não existe proteção do FGC.

Valor máximo protegido:

O valor máximo garantido para cada pessoa, física (CPF) ou jurídica (CNPJ), na mesma instituição associada, ou contra todas as instituições associadas do mesmo conglomerado financeiro será garantido até o valor de R$ 250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais).

Exemplo: você tem o total de R$ 300 mil investido em diversos CDBs, LCI, LCA e saldo em conta no banco XYZ. Esse banco quebra e você terá direito a receber no máximo R$ 250 mil.

Será mais seguro evitar mais de R$ 250 mil investido no mesmo banco, principalmente em bancos de menor porte.

No caso de conta conjunta a proteção é de R$ 250 mil e não de R$ 500 mil. O ideal para o casal será manter duas contas diferentes e individuais para ter a proteção de R$ 250 mil cada uma.

Diversos investimentos de renda fixa Diversas opções de investimento no Brasil possuem uma tipo de seguro que é oferecido pelo FGC ou Fundo Garantidor de Créditos (www.fgc.org.br). Se você tem conta em algum banco é praticamente certo que você já tenha alguma quantia segurada, mesmo sem saber disso.

Limitação de 1 milhão

Existe um teto de valor total garantido pelo FGC para cada investidor (CPF ou CNPJ) de R$ 1 milhão para cada período de 4 anos. Após 4 anos, o teto é restabelecido. A contagem do período de 4 anos se inicia na data da liquidação ou intervenção em instituição financeira onde o investidor detenha valor garantido pelo FGC.

Exemplo: vamos imaginar você tem  R$ 1.250.000,00 investidos em 5 bancos diferentes (R$ 250.000,00 em cada banco). Um novo presidente é eleito e no decorrer dos seus 4 anos de governo ele destrói a economia brasileira, assim como já ocorreu em outros países da América Latina nas últimas décadas. Diante de uma catástrofe econômica de inflação alta, juros altos e desvalorização da moeda os 5 bancos onde você tem seus investimentos decretam falência no decorrer de 4 anos. Você receberá o total de R$ 1 milhão como garantia do FGC de quatro bancos quebrados (R$ 250 mil para cada banco) e não terá garantias sobre os R$ 250 mil que estavam no quinto banco por ter atingido a limitação de R$ 1 milhão garantido no período de 4 anos.

Aos investimentos contratados ou repactuados até 21 de dezembro de 2017 não se aplica o teto de R$ 1 milhão a cada período de 4 anos.

Essa limitação ocorre pela aprovação do Conselho Monetário Nacional (CMN), em 21 de dezembro de 2017, de uma alteração promovida no Regulamento do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que estabelece teto de R$ 1 milhão, a cada período de 4 anos, para garantias pagas para cada CPF ou CNPJ.

A contagem do período de 4 anos se inicia na data da liquidação ou intervenção em instituição financeira onde o investidor detenha valor garantido pelo FGC, sendo que permanece inalterado o limite da garantia de R$ 250 mil por CPF/CNPJ e conglomerado financeiro.

Aos investimentos contratados ou repactuados até 21 de dezembro de 2017, data da aprovação do CMN, não se aplica o teto de R$ 1 milhão a cada período de 4 anos.

O teto foi aprovado na Assembleia Geral Extraordinária (AGE) do FGC, no dia 18 de dezembro, mediante alteração no Regulamento do fundo, a qual foi também aprovada pelo CMN em reunião de 21 de dezembro de 2017.

O FGC também decidiu estender a investidores não-residentes a garantia, em consonância com as recomendações internacionais. As condições passam a ser as mesmas aplicadas ao investidor residente e os depósitos devem ser elegíveis à garantia do FGC.

A limitação de R$ 1 milhão atinge um número pequeno de investidores. Atualmente, mais de 99% dos depositantes/investidores no sistema financeiro brasileiro têm investimentos totais de até R$250 mil.

Lista de bancos que quebraram

[embeddoc url=”https://www.fgc.org.br/backend/upload/media/arquivos/Nossos%20Numeros/Estati%CC%81sticas%20e%20Publicac%CC%A7o%CC%83es/clientes-indenizados-quantidade-paga-p.pdf” width=”800px” height=”1500px” download=”all” viewer=”browser”]

Como se proteger

Escrevi um livro que ensina a avaliar a situação financeira dos bancos antes de investir na renda fixa oferecida por eles. Eu mostro como investir em vários bancos através de corretoras e apresento o funcionamento detalhado, simuladores e planilhas para cada tipo de investimento. Leia o livro Como Investir em CDB, LCI e LCA.

Investir em CDB, LCI e LCA

Todos os conhecimentos e as ferramentas que você precisa para multiplicar a rentabilidade dos seus investimentos em renda fixa de forma imediata e segura. Aprenda a investir em títulos privados como CDB, LCI e LCA que pagam juros acima da média. Ganhe todos os simuladores e planilhas para comparar a estudar os investimentos de renda fixa oferecidos por todas as principais instituições financeiras.

Receba atualizações semanais sobre novos artigos publicados: Inscreva seu e-mail aqui.

Apoie o Clube dos Poupadores investindo na sua educação financeira. Clique sobre os livros para conhecer e adquirir:

Clique para conhecer o livro Independência Financeira
Clique para conhecer o livro Como Investir em CDB, LCI e LCA
Clique para conhecer o livro Como Investir na Bolsa por Análise Fundamentalista
Clique para conhecer o livro sobre Carteiras de Investimentos
Clique para conhecer o livro Como Investir em Títulos Públicos
Clique para conhecer o livro sobre Como Investir na Bolsa por Análise Técnica
Clique para conhecer o livro Como Investir em ETF
Clique para conhecer o Livro Como Investir no Exterior