O Circuit Breaker é uma espécie de “interruptor automático” da bolsa de valores, como uma espécie de “disjuntor”. Ele literalmente “desliga” as negociações na bolsa para proteger os investidores de variações bruscas ocorridas durante o dia de negociações.

O Circuit Breaker é acionado quando o índice Ibovespa atinge uma variação de -10% em relação ao fechamento do dia anterior. Todas as negociações de compra e venda de ações são interrompidas por 30 minutos. O objetivo é permitir que os investidores possam ter tempo antes de tomar decisões movidas pelo pânico.

Após a reabertura da bolsa, caso o índice atinga uma oscilação de -15% em relação ao dia anterior, as negociações são pausadas novamente, mas agora a bolsa fica “fora do ar” por 1 hora.

No caso de uma variação de -20%, os negócios são paralisados por um período que fica à critério da B3 (empresa que operacionaliza a bolsa). Resumindo:

  • Índice Bovespa em -10%, pausa de 30 minutos;
  • Índice Bovespa em -15%, pausa de 60 minutos;
  • Índice Bovespa em -20%, suspensão dos negócios.

Vale destacar que esse mecanismo de proteção não pode ser acionado nos últimos 30 minutos de negociações na bolsa. Isso significa que na última meia hora as quedas estão liberadas.

Hoje, dia 09/03/2020, muitos investidores iniciantes estão vivenciando o primeiro Circuit Breaker. O último que vivi aconteceu no dia 18 de maio de 2017. Os investidores estavam em pânico com notícia de que Joesley Batista (um dos donos da JBS, conhecida pela marca Friboi), tinha revelado uma gravação que poderia derrubar o atual presidente da república. Antes do índice Bovespa atingir -10%, várias ações tinham registrado variações de -15%, -20%, -30% e até -40% no mesmo dia.

Outro momento que pude presenciar os efeitos do Circuit Breaker foi durante a crise de 2008, conhecida como “crise do subprime dos EUA”. Também tivemos paralisações durante a crise de 1999, quando o câmbio no Brasil passou a ser flutuante e na crise russa (1998) e crise asiática (1997). Fiz um estudo interativo sobre o assunto que você pode visitar aqui para clicar nos pontos vermelhos e ler sobre cada evento.

Podemos dizer que você está vivenciando um evento que ficará na história do mercado financeiro.

Em 2008 não tivemos somente um Circuit Breaker. Foram 6 deles:

  • 29 de setembro de 2008 ;
  • 06 de outubro de 2008;
  • 06 de outubro de 2008;
  • 10 de outubro de 2008;
  • 15 de outubro de 2008;
  • 22 de outubro de 2008.

Tirando o Circuit Breaker do Joesley, as demais crises produziram mais de um Circuit Breaker. No ataque das torres gêmeas em 11 de setembro o Circuit Breaker não foi acionado, mas a bolsa fechou suas negociações naquele dia, só retornando no dia seguinte. Nada impede que o Circuit Breaker de 09/03/2020 ser o primeiro de uma sequência.

Como já mostrei nesse artigo aqui, essas grandes movimentações de baixa costumam produzir “repiques” que muitas vezes funcionam como armadilhas. Mostrei também que o processo de recuperação de eventos semelhantes no passado demorou muitas semanas ou meses. Devemos ter paciência. Supondo que o comportamento passado se repita, teremos tempo para escolher boas ações (análise fundamentalista) com bons preços em um bom momento (análise técnica). Devemos estudar e ganhar experiência diante desses eventos.

Recomendo a leitura de dois livros: Como Investir na Bolsa: Análise Fundamentalista e o livro Como Investir na Bolsa: Análise Técnica. Conheça todos os nossos livros sobre investimentos visitando aqui.

Inscreva-se para receber nossos artigos por e-mail gratuitamente.