Aqui está um relato que recebi de um leitor do Clube dos Poupadores sobre silenciar diante de amigos e parentes:.

“Leandro, admiro a sua vontade e talento para ensinar e esclarecer esses assuntos referentes a educação financeira e investimentos. Imagino como deve ser desanimador falar o óbvio e ainda levar pedrada e ser visto como “capitalista malvado”.

Eu passo por isso frequentemente no meu ambiente de trabalho. Para muitas pessoas, a inflação é culpa dos empresários gananciosos, os juros altos deveriam ser reduzidos a qualquer custo, o governo deveria ajudar mais a população (aumento de salários e de benefícios, assistencialismo, etc.), os ricos deveriam ser ainda mais tributados, quem investe em títulos públicos está ajudando a destruir o Brasil…

Quando eu começo a argumentar na linha contrária, as pessoas continuam cegas, optando por não entender a real causa do problema… Não entendem o básico… Que a inflação é causada pelo Estado ao expandir a base monetária visando conseguir pagar suas dívidas oriundas de uma política irresponsável… Que os empresários simplesmente se adaptam ao cenário e ajustam seus preços para minimizarem seus prejuízos… Que tabelamento de preços nunca funcionou e nunca funcionará em nenhum lugar pois cria o efeito contrário e desestimula a produção… Que economias mais liberais estão diretamente associadas a populações que vivem com prosperidade… Que economias com interferência estatal estão diretamente associadas a crises e miséria…

Isso tanto me entristece quanto me irrita. Pois não é uma coisa que prejudica apenas os ignorantes. Esse tipo de pensamento fomenta todo o cenário de colapso que estamos presenciando, e que prejudica todos nós. Chegou no ponto de eu desistir de tentar ajudar/ensinar/conversar com meus colegas. Agora fico quieto. Durante as discussões, eu fico com cara de paisagem, não concordo e não discordo de nada, apenas assisto e contemplo a ingenuidade/ignorância alheia. Foco apenas em manter e aumentar os meus ativos, pois essa é a única coisa sob a qual eu tenho algum controle. O resto, paciência. Se a vítima quer se apaixonar e defender o estuprador, não posso fazer nada.”

Assim como esse leitor fez, muitos estão fazendo nesse momento. Muitos estão silenciando.

Podemos dividir as pessoas que discordam dos temas listados pelo leitor em dois grupos:

  • Os que realmente são ignorantes financeiramente e talvez queiram aprender algo;
  • Os que estão com a mente “possuída” por alguma ideologia que é contrária aos ensinamentos da educação financeira verdadeira, baseada no ato de poupar, investir e atingir a independência financeira.

Sendo assim, estamos diante de duas situações muito distintas que podem ser a ignorância simples e algo muito mais complexos que realmente funciona como uma possessão mental.

Quando falei sobre “verdadeira educação financeira” estou me referindo àquela que te motiva a prosperar e enriquecer até atingir algum nível de independência financeira. Cada pessoa escolhe até que nível de independência financeira compensa chegar, pois para tudo existe um custo.

A educação financeira falsa é aquela que ensina você a ser um bom pagador de prestações (um devedor) e um obediente seguidor de recomendações de funcionários e influenciadores pagos por instituições financeiras. É a educação financeira que os bancos, corretoras e o próprio governo propagam e financiam.

Se você entende que está diante de uma pessoa ignorante ou possuída por uma ideologia, você tende a se abalar menos quando essa pessoa começa a defender a própria ignorância ou a ideologia. Manter a tranquilidade é fundamental. Não compensa alterar o seu estado emocional a troco de nada.

Muitas vezes o silêncio é a melhor resposta. Observar, sem discordar ou concordar, é permitir que o destino dessa pessoa se cumpra. Sabemos que não existe ação sem reação. As consequências dos nossos atos com relação ao dinheiro são inevitáveis. Essas consequências podem tardar, mas não falham. As mentiras sobre o mundo do dinheiro não se sustentam no longo prazo.

O problema é que nem sempre podemos calar, pois a outra pessoa pode ser um filho, um irmão, uma esposa ou até mesmo os nossos pais. Para essas pessoas talvez compense o esforço de ensinar de forma paciente e sem que a pessoa perceba o que você está fazendo. Se essas pessoas muito próximas sofrerem problemas financeiros no futuro, é provável que você também sofra as consequências e, por isso, o trabalho de conscientizar possa compensar, mesmo com todas as dificuldades envolvidas.

Já para amigos, conhecidos do trabalho, vizinhos, parentes distantes e qualquer outro que assumirá sozinho as consequências de suas escolhas, pode ser melhor ficar calado, silenciar com sabedoria para poupar a sua energia e focar no que é importante para a sua vida e sua família. Não tente ser o herói de quem não pediu para ser salvo. Você corre o risco de ser “atacado” por quem pretende salvar.

Então, vamos considerar que você está diante de pessoas que valem a pena o esforço de ajudar. Mantenha a calma e evite discutir com elas, pois as pessoas são orgulhosas.

Se você transmitir a ideia de que elas são ignorantes ou estão mentalmente doentes, por culpa de uma ideologia, elas vão se fechar para a verdade e podem até ficar agressivas. Se você se alterar e se irritar, a pessoa verá isso como uma fragilidade a ser explorada.

Quando você está tranquilo e apresenta argumentos verdadeiros, você tende a permitir que a outra pessoa se exalte, se desequilibre e se perca nos argumentos que defendem a mentira. Muitas vezes ela mesma percebe que a sua tranquilidade e a exaltação dela, sinalizam que ela tem algum problema.

Existe um exemplo interessante no vídeo que está no artigo que escrevi sobre o efeito Streisand. O vídeo mostra um homem tranquilo pedindo para que pessoas possuídas por ideologias respondam uma pergunta bem simples. É incrível como elas não conseguem responder e logo começam a ficar muito irritadas. Como o homem que faz a pergunta continua tranquilo, a irritação nas outras pessoas aumenta ao ponto de elas perceberem a própria incoerência. A dor da incoerência é tão grande que elas tendem a fugir da entrevista ou partem para ataques pessoais na tentativa de desestabilizar o homem que faz e entrevista com tranquilidade.

As pessoas possuídas por uma ideologia se comportam como robôs com defeito, como se estivessem com alguma debilidade mental. Elas tendem a usar argumentos circulares, que é uma característica da loucura. Isso é muito comum quando entram na defesa de ideologias de esquerda, socialismo e comunismo. Elas não conseguem responder questões simples baseados no que é lógico. Passam a atacar a pessoa que pergunta e deixam os argumentos de lado.

Isso funciona como um mecanismo de defesa. Depois eu posso escrever um artigo com diversos argumentos circulares envolvendo dinheiro e economia que ideologias de esquerda propagam por toda parte.

A verdade é algo simples de ser dito quando você está tranquilo e sereno.

Já para argumentar contra a verdade é necessário desenvolver um pensamento mirabolante ou circular.

Todos, no fundo, sabem que existem virtudes e habilidades que precisamos desenvolver para lidar bem com nossa vida financeira e profissional como: prudência, paciência, persistência e autorresponsabilidade são bons exemplos. Pessoas ignorantes ou que são ideologicamente contaminadas tentam argumentar contra as virtudes através de ideias falhas que nem elas sabem explicar detalhadamente.

Geralmente as pessoas apenas decoram e repetem as críticas contra as bases da boa educação financeira, contra o hábito de poupar, empreender, investir, acumular capital e prosperar. Infelizmente foi isso que elas receberam desde o tempo da escola. A maioria dos professores nos falaram sobre a história do mundo através de uma lente ideológica de esquerda (fonte). Ninguém nos falou nada sobre a verdade da prosperidade e da riqueza que se espalhou pelo mundo e que hoje está mais fácil de ser atingida devido a enorme quantidade de conhecimento disponível, facilidades e oportunidades.

Dessa forma, é mais fácil mudar o pensamento das pessoas apresentando a realidade de forma lenta, principalmente através de exemplos.  Podemos “minar” a ignorância e as ideologias através de conteúdos inspiradores como frases, vídeos e ideias que valorizam e mostram os efeitos positivos de virtudes envolvidas com o sucesso financeiro e profissional. A mudança só vai acontecer inspirando a pessoa de forma indireta, através de verdades difíceis de questionar.

Um ponto importante nessa tarefa é o bom exemplo. É importante que você seja aquilo que você prega ou esteja tentando ser aquilo que você prega. Ser ou tentar ser, dá para você a autoridade de argumentar sobre um tema.

Geralmente as pessoas que são possuídas por uma ideologia pertencem a um grupo que a mantem nesse estado de aprisionamento das ideias. Talvez a pessoa que você quer ajudar faça parte de uma universidade pública onde todo o ambiente é ideologicamente contaminado. Talvez a pessoa trabalhe em um órgão público ou em uma empresa que atue em uma área do conhecimento onde é marcante a presença de ideologias progressistas e de esquerda.

Isso torna o despertar dessa pessoa muito difícil, as vezes até impossível, já que o ambiente onde estão exigem delas que compactuem com uma “cesta de ideias prontas” que mantem o grupo coeso. Não é todo mundo que consegue suportar as pressões do grupo onde está. Quanto mais jovem, mais a pessoa se sente pressionada a seguir a ideologia do grupo.

Pessoas muito apegadas a ideologias progressistas e de esquerda frequentemente são pessoas fragilizadas, que foram convencidas de que são vítimas de algo ou de alguém como uma forma de tirar das costas delas a responsabilidade do que são e do que possuem.

Um bom caminho para livrar as pessoas do vitimismo ideológico é despertar nela a força de vontade e a autoconfiança. Só pessoas com vontade e autoconfiança assumem o controle da própria vida e lutam para melhorar sua situação sem ficar dependendo de ninguém.

Eu já vi muitos exemplos de pessoas que se educaram financeiramente e quando começaram a prosperar na vida, dando bons exemplos, observaram que alguns parentes e amigos começaram a se afastar. Isso é algo muito comum.

O processo de autodesenvolvimento, crescimento intelectual, moral e financeiro tende a ser solitário. Devemos aceitar essa realidade.

A ignorância, a loucura, as ideologias que valorizam o enfraquecimento e a vitimização das pessoas é um fenômeno coletivo autodestrutivo. Você encontrará mais companhia se resolver manter sua vida no nível mediano, com pouco desenvolvimento intelectual, com uma moralidade flexível e uma vida financeira mediana.

Por isso, muitas vezes é melhor fazer como o descrito pelo nosso leitor. Silenciar pode ser um ato de sabedoria. É importante que você tenha tempo e energia para estudar e se desenvolver de forma intelectual e material, mesmo que isso se torne uma atividade mais solitária do que você gostaria.

Pode ser inviável ajudar quem não pediu ajuda. É quase impossível ajudar alguém com ideias e pensamentos circulares. Devo falar sobre isso em outro artigo.

Receba um aviso por e-mail quando novos artigos como esse forem publicados. Inscreva-se gratuitamente:

Apoie o Clube dos Poupadores investindo na sua educação financeira. Clique sobre os livros para conhecer e adquirir:

Clique para conhecer o livro Independência Financeira
Clique para conhecer o livro Como Investir em CDB, LCI e LCA
Clique para conhecer o livro Como Investir na Bolsa por Análise Fundamentalista
Clique para conhecer o Livro Como Proteger seu Patrimônio
Clique para conhecer o livro sobre Carteiras de Investimentos
Clique para conhecer o livro Como Investir em Títulos Públicos
Clique para conhecer o livro sobre Como Investir na Bolsa por Análise Técnica
Conheça o Virtudes, Vícios e Independência Financeira
Clique para conhecer o livro Como Investir em ETF
Clique para conhecer o Livro Como Investir no Exterior
Livro Negro dos Im´óveis