A inflação em 2020 ficou em 4,52%, um pouco acima dos 4,31% de 2019, mas é importante observar uma grande diferença nos grupos de produtos e serviços que tiveram as maiores altas. O gráfico abaixo mostra as diferenças.

As barras laranjas mostram a inflação de cada grupo de produtos em 2010 e a barra cinza se refere a 2019.

O confinamento e o home office certamente motivaram a demanda por produtos relacionados com habitação como material de construção, produtos para reforma, artigos de limpeza, aluguéis, condomínios etc. Os produtos do grupo “Residência” também tiveram forte alta como móveis, eletrodomésticos, utensílios, computador pessoal etc. Muita demanda sem a oferta necessária acaba resultando em preços maiores.

Mas veja que nada se compara com a disparada dos preços dos alimentos que chegaram na casa de 14%. Aqui é importante entender. Os alimentos são baseados em commodities com preços definidos internacionalmente cotados em dólares. Antes mesmos dos produtos agrícolas serem colhidos eles já estão sendo negociados nas bolsas de valores do mundo através dos contratos futuros dolarizados.

Veja algumas altas de alimentos que fazem parte do grupo:

O gráfico logo abaixo mostra a alta dos preços das commodities em dólares, através dos contratos futuros negociados no exterior, entre 12 de janeiro de 2019 e 12 de janeiro de 2020. Observe a alta de 103,8% no óleo de soja em 2020 no gráfico acima e depois veja a alta de 51% no preço da soja em dólares no mercado internacional. Além da soja em alta em dólares ainda tivemos real perdendo valor em dólares. Veja que mesmo a carne com queda no seu preço lá fora tivemos alta nos preços no Brasil devido ao dólar em alta (real em baixa).

Isso nos indica que todas as economias do mundo foram atingidas pela alta dos preços dos alimentos. O nosso problema fica mais grave devido ao enfraquecimento do real, pois além dos preços dos produtos aumentarem internacionalmente precisamos de mais reais para comprar produtos dolarizados.

O lado positivo dessa situação está no fato do Brasil ser um grande exportador de alimentos. Os agricultores recebem mais dólares e mais reais em momentos de alta como esses. Quando o agronegócio vai bem a situação econômica cidades pelo interior do país também vai bem.

Se você já leu o meu livro sobre investimentos no exterior deve ter visto que é possível investir em soja, milho, trigo, algodão, cacau, café e muitas outras commodities através de ETFs.

No Brasil existe a possibilidade de investir em ações de empresas que se beneficiam quando ocorre alta nos preços das commodities, incluindo commodities minerais, celulose etc. Também existem ETFs que seguem o índice IMAT que é composto por ações de empresas que atuam no setor de commodities. Veja o gráfico do índice IMAT (Materiais Básicos) e as ações que fazem parte do índice. Para aprender a investir em ETFs brasileiros conheça este livro.

Nossa moeda valendo menos

Como você pode ver no gráfico abaixo, em 2020 o dólar chegou a valer R$ 5,99 em maio/2020 com alta de quase 50%. O ano de 2020 terminou com o dólar em alta de quase 30%, mas já registrando um recuo devido ao enfraquecimento mundial do dólar depois das eleições nos EUA.  Você pode gerar um gráfico do dólar para fazer os seus estudos visitando aqui. Temos muitos artigos sobre investimentos em moedas visitando aqui.

Aqui no Clube dos Poupadores você também pode estudar os gráficos com a inflação de cada grupo onde também é possível conhecer os produtos e serviços que fazem parte do cálculo da inflação nesses grupos. Visite:

Logo abaixo temos o IPCA mensal, que é a inflação mensal no Brasil de 2005 até 2020.

 

Perceba que é bem comum uma inflação mensal de até 0,40% ao mês na maior parte dos meses e momentos em que a inflação supera 0,80% ao mês. Quando a taxa básica de juros (Taxa Selic) estava elevada, superar uma inflação de 0,40% ou 0,50% era relativamente fácil através da renda fixa pós-fixada entre 5% e 6% ao ano.

Hoje isso só é possível por meio de investimentos de renda fixa prefixada ou que pagam inflação + taxa prefixada. Um exemplo são os CDBs oferecidos por alguns bancos de médio porte. Aqui no Clube temos um gráfico com o saldo de investimentos em CDB prefixado (gráfico) e CDB pós-fixado (gráfico) no Brasil. O saldo da poupança dos brasileiros ultrapassou R$ 1 trilhão em 2020, mesmo com rendimento de 0,12% ao mês (veja o gráfico do saldo da poupança). Para aprender a investir em CDBs, principalmente para avaliar os bancos e reduzir os riscos, leia este livro.

O Banco Central produz um gráfico como a figura acima que merece ser registrado aqui no início deste ano. Veja onde ver atualizado. A linha azul mostra inflação dos últimos 12 meses. A linha vermelha mostra a inflação esperada (expectativa) do mercado financeiro e Banco Central através da pesquisa Focus. Podemos ver que já é esperada uma inflação acima de 6% nos últimos 12 meses na metade de 2021. A linha pontilhada é a meta de inflação. Faz parte do trabalho do Banco Central aumentar os juros quando acredita que a inflação ficará acima da meta de forma consistente.

Juro real negativo

Na tabela abaixo temos os juros reais no Brasil e nas 20 principais economias do mundo. Essa tabela é frequentemente atualizada, veja aqui (juros reais). Veja que a inflação foi bem elevada para países de moeda fraca como Brasil, Turquia, Índia, Rússia, África do Sul etc. Para países como a Suíça, Japão e os que estão na Zona do Euro a inflação foi negativa, ou seja, ocorreu deflação por valorização de suas moedas frente ao dólar (veja sobre o índice dólar).

O juro real que aparece na última coluna é o que sobra quando deduzimos a inflação da taxa básica de juros que os países oferecem nos seus títulos públicos de menor risco (pós-fixados), que geralmente é a base da renda fixa oferecida nos países.

Veja que o Brasil terminou o ano com uma combinação de juros baixos e inflação alta resultando em um juro real negativo de -2,41% nos últimos 12 meses.

Os códigos de letras que aparecem na lateral da tabela mostram o grau de investimento dos países. AAA representa um país com elevado grau de investimento e baixo risco de inadimplência, como é o caso da Suíça. Já um CCC+ representa um país que está praticamente quebrado, com dificuldades para pagar os títulos públicos que emitiu, como ocorre na Argentina. Veja mais sobre grau de investimento. Veja também o mapa de classificação de risco.

O Brasil tem grau BB- que representa grau especulativo e mesmo assim remunera o dinheiro negativamente, assim como fazem países desenvolvidos de moeda forte. Veja o caso da Suíça que tem juro negativo, ou seja, você investe em títulos públicos e recebe menos do que investiu no futuro, mas para isso o país tem uma moeda forte e frequentemente registra deflação, ou seja, os produtos vendidos no país valem cada vez menos e o dinheiro vale cada vez mais. Para aprender a investir no exterior leia este livro.

Para 2021

Para 2021 precisamos observar com atenção como ficará essa situação de juros baixos e inflação elevada (juro negativo), destruindo lentamente o esforço de poupança dos pequenos investidores, principalmente os mais leigos que não conhecem as diversas possibilidades de investimentos que existem e seus riscos.

Esse problema não afeta somente o Brasil. Nos EUA existe a expectativa de que os juros serão mantidos em níveis muito baixos sem que o Banco Central (FED) se importe com a disparada da inflação (uma reportagem sobre isso). No mundo inteiro se espera alta dos preços se ocorrer uma recuperação muito rápida das economias após a vacinação. Como vimos existem muitos setores da economia com preços represados como transportes (que inclui passagens aéreas), despesas pessoais (que inclui o lazer), educação, saúde etc.

Juro baixo e inflação alta, nesse momento, não significa que devemos colocar tudo que temos em investimentos de maior risco, pois vivenciamos uma situação de alto risco no Brasil e no resto do mundo.

A parcela da nossa carteira exposta ao risco deve ser aquela que realmente pode ser exposta sem comprometer nossa vida financeira se novos imprevistos ocorrerem durante 2021, ou seja, devemos aproveitar oportunidades oferecidas nos investimentos de maior risco somente quando temos reservas que garantam nossa tranquilidade, mesmo que estas reservas ofereçam rentabilidade menor que a inflação durante tempos difíceis.

Eventos como fechamento de grandes fábricas como a Ford, deve continuar acontecendo e isso vai atingir aquelas pessoas que não possuem boas reservas em investimentos conservadores para enfrentar emergências como o desemprego. Até servidores públicos que vivem em cidades que dependem da arrecadação de impostos de grandes empresas nunca devem esquecer que seus salários são garantidos pelos impostos que prefeitos e governadores arrecadam das empresas e indústrias que operam na região.

Neste exato momento muitas empresas no Brasil e no exterior estão reduzindo despesas, descontinuando produtos, fechando lojas, escritórios e fábricas que fazem parte dos segmentos menos lucrativos de suas operações e isso vai significar mais riscos para quem está empregado sem qualquer reserva para emergências.

O que a Coca-Cola fez recentemente, que foi parar de produzir metade de suas marcas, deve ocorrer em todo o mundo nos mais diversos setores (veja aqui). Um exemplo acontece com os bancos. As pessoas estão usando mais os serviços digitais dos bancos forçadas pelas restrições impostas pelas medidas sanitárias definidas pelos políticos. Milhares de agências foram definitivamente fechadas e muitas ainda irão fechar (veja aqui).

As empresas estão fazendo o que as pessoas físicas também deveriam fazer. Estão cortando custos. Estão fazendo caixa, ou seja, acumulando grandes reservas de dinheiro para enfrentar dificuldades e ao mesmo tempo estão realizando mudanças, ampliando conhecimentos e se preparando para uma nova realidade.

Então é importante que você continue ampliando a sua reserva para que tenha tranquilidade. Para o ano de 2021 é fundamental que você amplie os seus conhecimentos sobre investimentos para enfrentar a inflação, juros baixos e possíveis cortes na renda.

Se você quiser aprender mais sobre investimentos e educação financeira acompanhe os artigos que escrevo semanalmente aqui no Clube dos Poupadores. Eu aviso todos os leitores inscritos quando existem novidades. Para se tornar um leitor inscrito gratuitamente basta preencher o formulário e depois confirmar sua inscrição através do e-mail que enviarei para você.

Informe o seu e-mail:

Aprenda a investir:

Livros que escrevi para ajudar você a melhorar os seus resultados financeiros:

Clique para conhecer o livro Independência Financeira
Clique para conhecer o livro Como Investir em CDB, LCI e LCA
Clique para conhecer o livro Como Investir em Títulos Públicos
Clique para conhecer o livro Como Investir na Bolsa por Análise Fundamentalista
Clique para conhecer o livro sobre Como Investir na Bolsa por Análise Técnica
Clique para conhecer o livro Como Investir em ETF
Clique para conhecer o Livro Como Investir no Exterior