Nos últimos milênios, nos primeiros meses de cada ano, povos inteiros ao redor do globo se engajaram em um combate pessoal heroico para desenvolver virtudes e combater os próprios vícios.

Esse período de combate é chamado de “Quaresma”, tem duração de 40 dias (sem contar os domingos) entre o carnaval e a Páscoa de cada ano.

Veremos nesse artigo que existe muita sabedoria nessa prática milenar que pode ajudar você nas questões profissionais e financeiras, já que por meio dela é possível eliminar maus hábitos e adotar bons hábitos que interferem em todas as áreas da vida.

Você já sabe que para conquistar a independência financeira é necessário desenvolver uma série de virtudes, ao mesmo tempo em que devemos combater diariamente diversos vícios, como descrevi amplamente nesse livro aqui.

No período da Quaresma, todos os seus antepassados realizaram práticas que resultaram em:

  • Autoconhecimento: Por meio da renúncia voluntária de certos prazeres durante a Quaresma, o indivíduo tem a oportunidade de enfrentar suas próprias fraquezas, desejos e dependências, promovendo um profundo autoconhecimento.
  • Disciplina e Autocontrole: A prática de impor limites a si mesmo durante a Quaresma, seja na alimentação, no consumo de entretenimento ou em outros aspectos (que podem ser viciantes), desenvolve a autodisciplina, uma habilidade valiosa em todas as áreas da vida, principalmente para quem está trabalhando, poupando e investindo para conquistar a independência financeira.
  • Solidariedade: Atos de desprendimento que ocorrem na Quaresma podem reduzir o seu egocentrismo e produzir um maior senso de sentido para a sua vida.
  • Reflexão: A Quaresma proporciona um tempo dedicado à reflexão sobre a própria vida, objetivos e valores, oferecendo uma pausa necessária na rotina acelerada para reavaliar prioridades e buscar um sentido maior.
  • Renovação: Ao final desse período, muitos relatam sentir-se renovados, não apenas espiritualmente, mas também física e emocionalmente, prontos para enfrentar novos desafios.

Desenvolver bons hábitos e destruir maus hábitos é uma batalha diária, principalmente quando estamos diante dos pais de todos os vícios que são: soberba, inveja, avareza, gula, luxúria, preguiça e ira. Tudo que atrapalha a sua vida tem como origem esses vícios morais ou vícios derivados que costumam ser combinações ou variações dos mesmos.

A ferramenta que seus ancestrais cristãos (principalmente os católicos) utilizavam na Quaresma para esse combate se chamava: “Penitência”.

Todas as penitências adotadas na Quaresma tem o objetivo de desenvolver algum nível de autocontrole.

  • Autocontrole por meio do jejum – Você já deve ter compreendido que nem tudo que você deseja é bom para você, principalmente no longo prazo. O homem adulto que não é capaz de controlar a própria boca, certamente terá enorme dificuldade para controlar outros aspectos da vida. Seus velhos antepassados exercitavam o autocontrole praticando o jejum e a abstinência. O jejum consiste em simplificar ou restringir a alimentação. Existem muitos tipos de jejum para a Quaresma.
  • Autocontrole por meio da abstinência – Ao abstendo-se a determinados prazeres, por 40 dias, você treinará sua vontade dizendo para ela quem é que realmente manda na sua vida. Sem perceberem, muitas pessoas vivem uma vida miserável de servidão aos prazeres de vícios que colecionam. Elas possuem alguns vícios que são seus senhores, pois dedicam parte importante do tempo, disposição e até mesmo dinheiro para servir a esses prazeres. É muito comum que existam conglomerados de empresas que lucram com esses prazeres. A quaresma é o período de reduzir ou simplesmente abster-se totalmente de algum vício prazeroso que está tomando muito tempo, energia e dinheiro da sua vida. Quarenta dias é o tempo necessário para formar um novo hábito e destruir maus hábitos.
  • Autocontrole por meio da mortificação – A prática da mortificação corporal, especialmente adotada pelos católicos na Quaresma, é um tipo de disciplina que envolve a imposição de desconforto ao próprio corpo. Esta prática tem como objetivo ajudar a superar as paixões e instintos humanos. A pessoa que se incomoda muito com qualquer situação de desconforto é uma pessoa fragilizada, fraca e despreparada para a realidade desconfortável da vida. Muitas vezes, não nos alegramos pelo conforto que desfrutamos porque esquecemos como é viver de forma desconfortável.
  • Autocontrole por meio da oração – Só quem já tentou se livrar de um mau hábito ou vício moral sabe o quanto é difícil e como essa tentativa nos torna mais humildes, pois percebemos que somos fracos e mal conseguimos controlar a nós mesmos. As vezes as pessoas se irritam porque o mundo não é como elas acham que deveria ser. Geralmente são pessoas que nunca tentaram mudar elas mesmas e por isso se sentem confortáveis em exigir que o mundo inteiro mude. Diante da humilhação de não conseguir mudar a si mesmo, seus antepassados faziam orações pedindo a Deus a graça de resistir às fraquezas, vícios e tentações que nos afastam do Bem Maior. Aqui temos uma poderosa ferramenta contra a soberba da atual geração. Dedicar momentos específicos do dia para a oração, como ao acordar, antes das refeições e ao deitar, cria uma rotina que nos lembra sobre como somos pequenos, fracos e repletos de maus hábitos e vícios que temos dificuldades de nos livrar. Aqui temos um grande paradoxo:  ao se perceber pequeno é que você se torna grande. Se você for capaz de compreender o poder que existe por trás de encarar a verdade de que: somos pequenos, você entendeu o que grande parte das pessoas não entenderá durante essa vida. Essa ideia reflete uma verdade profunda sobre o crescimento moral. Na tradição cristã, a humildade é vista não como uma diminuição do ser, mas como um reconhecimento honesto das próprias limitações e da necessidade de Deus. Essa consciência da nossa pequenez abre o coração para a graça divina, permitindo um crescimento em virtude, pois nos engrandece.

O jejum, a abstinência e a mortificação ensinam o indivíduo a dizer “não” aos desejos imediatos e passageiros em favor de metas de longo prazo mais significativas. Esta é uma habilidade crucial na gestão financeira, onde a capacidade de adiar a gratificação instantânea é fundamental para economizar e investir com sabedoria. Por exemplo, ao praticar o jejum, aprende-se a resistir à tentação de consumir desnecessariamente, uma lição que pode ser transposta para o consumo consciente e a prevenção do endividamento.

A abstinência, seja de alimentos, bebidas ou qualquer outro prazer temporal, reforça a ideia de que nem todas as vontades precisam ser satisfeitas imediatamente, se é que precisam. Isso desenvolve um senso de priorização, onde se aprende a discernir entre necessidades e desejos. Essa habilidade é indispensável no planejamento financeiro, ajudando indivíduos a focar em suas necessidades básicas e objetivos de longo prazo, como a formação de um fundo de emergência, investimentos e aposentadoria, em vez de gastos supérfluos.

A mortificação, que envolve a negação voluntária de confortos e prazeres, fortalece a vontade e a resiliência, qualidades essenciais para enfrentar os desafios econômicos e as incertezas do mercado. Aprende-se a viver com menos, o que não apenas prepara para tempos de adversidade, mas também promove a acumulação de patrimônio ao longo do tempo, reduzindo a dependência de dívidas e aumentando a capacidade de investimento.

Nada disso é novidade. Nos últimos milhares de anos essa ferramentas foram largamente utilizadas no ocidente graças ao catolicismo. Infelizmente a prática do jejum, penitência, mortificações foram abandonadas por grande parte dos protestantes.

O que os cientistas e o pessoal da “autoajuda” falam sobre formação de hábitos é aquilo que seus antepassados já faziam toda a Quaresma. A grande verdade é que a luta contra maus hábitos, segundo a ciência moderna, e as práticas penitenciais da Quaresma, observadas pelos católicos ao longo de milhares de anos, apresentam paralelos surpreendentemente alinhados, refletindo que provavelmente a tradição foi apenas copiada e vendida na forma de livros, cursos e treinamentos tirando o lado religioso e divino da prática, de forma que ela tenha pouco significado e passe a ser ignorada.

  • Identificação do Hábito
    Ciência: Reconhecimento e compreensão do hábito a ser mudado.
    Quaresma: Exame de consciência para identificar pecados e falhas (vícios morais), iniciando o processo de conversão.
  • Entendimento dos Gatilhos
    Ciência: Identificação dos estímulos que desencadeiam o hábito indesejado.
    Quaresma: Reflexão e oração para discernir situações, ocasiões e emoções que levam ao pecado, buscando a raiz das tentações.
  • Substituição do Hábito
    Ciência: Troca de um hábito negativo por um positivo, como substituir o tempo em redes sociais por atividades físicas.
    Quaresma: Substituição de ações pecaminosas por virtuosas, como trocar horas de entretenimento fútil pelo estudo, oração, jejum e práticas que libertam os homens dos vícios.
  • Estabelecimento de um Objetivo Inspirador
    Ciência: Definição de metas positivas e inspiradoras para direcionar a mudança de comportamento.
    Quaresma: Foco na renovação espiritual e na preparação para a Páscoa, visando a redenção e a vida eterna como objetivos supremos.
  • Autoconsciência
    Ciência: Reflexão sobre as consequências negativas do hábito e o desejo de mudança.
    Quaresma: Jejum e penitência como meios de cultivar a consciência sobre os efeitos do pecado e a necessidade de conversão para uma vida de virtudes.
  • Promessa a um Ente Querido
    Ciência: Comprometimento baseado em promessas feitas a outros, fortalecendo a resolução de mudar.
    Quaresma: Ofertas e sacrifícios feitos por amor a Deus e ao próximo, reforçando o compromisso pessoal com a transformação.
  • Manutenção da Motivação com Recompensas
    Ciência: Uso de recompensas para sustentar a motivação ao longo do processo de mudança.
    Quaresma: Foco na alegria da ressurreição e na promessa da salvação como recompensa última, além de práticas que reconhecem e celebram o progresso espiritual.
  • Apoio de Amigos ou Familiares
    Ciência: Busca de apoio em redes de relacionamento para reforçar a mudança de hábitos.
    Quaresma: Apoio da comunidade de fé, partilha de práticas penitenciais e encorajamento mútuo na jornada espiritual.
  • Preparação para Reveses
    Ciência: Reconhecimento de que deslizes fazem parte do processo e preparação para superá-los.
    Quaresma: Uso da confissão e orientação espiritual para enfrentar falhas, com ênfase na misericórdia de Deus e na renovação do compromisso de conversão.

Assim, enquanto a ciência oferece estratégias baseadas no entendimento comportamental e psicológico (tirando a religiosidade e a Divindade da vida da pessoa), a Quaresma proporciona um caminho espiritual profundamente enraizado na tradição e na fé, sem retirar o Deus que sempre esteve presente na rotina dos nossos antepassados.

Aqui está uma lista de penitências que os católicos praticam com frequência na Quaresma. É claro que não são todas ao mesmo tempo e esse exemplo costuma circular apenas para inspirar as pessoas a refletirem sobre uma penitência que possa a tornar melhor no final dos 40 dias.

PENITÊNCIAS GASTRONÔMICAS:

  • √ Sair das refeições com um pouco de fome;
  • √ Tirar açúcar do café e suco;
  • √ Não comer doces ou chocolates;
  • √ Não consumir bebidas alcoólicas; Não consumir refrigerante;
  • √ Comer legumes e verduras que não goste muito;
  • √ Reservar mais um dia para o Jejum (além das sextas-feiras);

PENITÊNCIAS MORAIS:

  • √ Não reclamar das contrariedades do dia-a-dia. Louve e agradeça;
  • √ Fazer serviços que lhe são incômodos em casa e no trabalho, ajudando o próximo;
  • √ Não reclamar ou murmurar por nada;
  • √ Não fofocar;
  • √ Não julgar as pessoas e as situações;
  • √ Faça exame de consciência todos os dias;
  • √ Escolha pessoas diferentes, todos os dias, para ajudar a manifestar carinho;
  • √ Fazer atividades físicas. Saia do comodismo.

PENITÊNCIAS CORPORAIS:

  • √ Dormir sem travesseiro;
  • √ Tomar banho frio;
  • √ Usar o celular apenas ao essencial;
  • √ Evitar gritos e falas altas;
  • √ Faça leitura espiritual;
  • √ Troque o elevador pelas escadas;
  • √ Reze de joelhos;
  • √ Faça ao menos 15 minutos de silêncio todos os dias;
  • √ Não colocar música no carro;
  • √ Não usar o ar-condicionado;

Agora vamos imaginar que você praticou algumas dessas penitência em família. Qual seria o impacto imediato e o impacto futuro? O impacto futuro seria um família com mais autocontrole e provavelmente com uma redução ou eliminação de algum vício ou mau hábito por toda a vida. Isso não tem preço.

 

 

Receba um aviso por e-mail quando novos artigos como esse forem publicados. Inscreva-se gratuitamente:

Apoie o Clube dos Poupadores investindo na sua educação financeira. Clique sobre os livros para conhecer e adquirir:

Clique para conhecer o livro Independência Financeira
Clique para conhecer o livro Como Investir em CDB, LCI e LCA
Clique para conhecer o livro Como Investir na Bolsa por Análise Fundamentalista
Clique para conhecer o Livro Como Proteger seu Patrimônio
Clique para conhecer o livro sobre Carteiras de Investimentos
Clique para conhecer o livro Como Investir em Títulos Públicos
Clique para conhecer o livro sobre Como Investir na Bolsa por Análise Técnica
Conheça o Virtudes, Vícios e Independência Financeira
Clique para conhecer o livro Como Investir em ETF
Clique para conhecer o Livro Como Investir no Exterior
Livro Negro dos Im´óveis